Reino de Israel e Judá

O "grande" herói desse reinozinho, o Rei Davi e sua grande boca.

O Reino Unido de Israel e Judá, que normalmente era chamado só de Reino de Israel, mas depois o termo não cabia mais quando deu uma merda tremenda que causou um racha que nunca se resolveu depois daí. Enfim, esse reinozinho, segundo a Bíblia e só lá mesmo, foi formado por descendentes de doze famílias que se reproduziam mais do que um coelho, todos alegando estarem cumprindo profecias que Inri Cristo deu a Abraão, Isaque e Jacó, não que os outros povos que lá já viviam fizessem a menor ideia de quem esses três eram.

A Confederação Hebraica chegou sob a liderança de Josué a dominar a tal Canaã, e por uns séculos essa confederação viveu em crises e mais crises de organização, chegando a ser governada por ocasionais Juízes, mas sempre acabavam vítimas de povos locais, como filisteus, arameus, midianitas, amalecitas e até uns sobreviventes dos velhos jebuseus e outros "seiláeus" que viviam na região. Assim, cansados do vai-e-vem infinito que essa porra tava virando, decidiram se organizar num reino unido, com todas as tribos trampando juntas pelo bem estar de todos. Esse arremedo só durou aproximadamente de 1020 a.C. a 930 a.C., ou seja, por volta de uns 90 aninhos só, e no fim terminou com todo mundo fazendo dedo no cu e gritaria e um inimigo do outro. Mas só lá no fim do artigo eu conto melhor, quieta a raba e vai lendo, não vou dar spoiler e por favor não vá ler na Bíblia antes, caralho!

Antecedentes dos reizinhosEditar

Depois de passarem um período gigantesco no Egito como escravos, os israelitas saíram fora de lá (provavelmente no tempo do Ramsés II da XIX dinastia egípcia) e invadiram a tal da "Terra Santa", com a ideia de conquistar os territórios de povos como jebuseus, amorreus, heteus, cananeus e mais de oito mil outros povinhos de lá.

O problema é que, mesmo conseguindo dominar várias áreas, algumas tribos, como Aser, e outras, viviam sempre na merda, sem conseguirem dominar nada direito. De vez em quando povos mais fortes como os filisteus e o Reino de Amon passavam a piroca em todo mundo. Depois de muito tempo mesmo, o profeta que deu nome aos livros de I Samuel e II Samuel acabou sendo obrigado pelo povo a escolher um rei, já que tava foda, eles queriam alguém que realmente os liderasse de maneira centralizada, já que os juízes não conseguiam fazer isso com plenitude nem a pau.

Os três reis magosEditar

 
Rei foda era Salomão, que quando arrumavam problema ele já dizia "passa a faca!"

Tudo começou com Saul, o primeiro eleito, que passou por volta de uns 40 anos como rei, porém o reinado dele foi uma bosta. As tribos de Israel tavam num lero-lero da porra, sem conseguirem derrotar ninguém, nem uns povinhos de quinta como os amalequitas.

Aí seu genro, Davi, foi peça fundamental pra detonar os filisteus, jogando uns aerólitos na cabeça do gigante Golias. Começou a ser bem quisto pelo povo e pelo exército, mas não demorou pra isso tudo deixar seu sogrão com o cu na mão e perseguiu o genro como pôde. Essa frescurite toda aos poucos, ano após ano, fodeu sua autoridade e ele acabou ficando vulnerável, assim ficando exposto aos filisteus de novo. Acabou se matando com medinho de ser morto pelos filisteus.

Davi foi rapidamente eleito por sua tribo, Judá, como rei, mas o resto colocou um dos filhos sobreviventes de Saul, Esbaal, mas esse último era tão babaca que foi rapidamente morto pelos próprios escravos. Davi então assumiu e o reino enfim começou a entrar nos eixos. Pra começar, ele já ocupou Jerusalém, no centro do país, que até então continuava sendo um grupelho de jebuseus fazendo zueira com o povo. Graças a sua influência e experiência militar seu povo conseguiu se expandir pra caralho, dominando tudo que era dos povinhos do lado, como Edom, Moabe, Amom e tudo que mais puder.

Infelizmente Davi teve umas dificuldades pra escolher quem ia ficar no seu lugar. Nisso um de seus filhos, Absalão, tentou lhe passar a perna, mas acabou virando janta nas mãos dos soldados de Davi. Aproveitando-se da situação caótica, um tal de Sebna também tentou dar uma de engraçadinho, mas esse foi tão bosta que nem merece artigo na Desciclopédia. Por fim, quando finalmente escolheu Salomão pra ficar no seu lugar, outro filho seu, Adonias, tentou dar uma de João sem braço pra trollar o pai e virar rei no lugar do seu maninho caçula, mas foi descoberto e, tal qual você jogando GTA V, SE FODEU!

Salomão conseguiu elevar o reino ao auge. Com alianças com o Egito e com os feníncios, ele construiu um puta templo e um puta palácio, além de elevar seu reinado até a cidade de Tifsa, às margens do rio Eufrates. Já era um reino gigantesco, que conseguia alianças com um bocado de reinos distantes como Sabá e Társis (tão longes que ninguém faz nem ideia de onde caralhos eles eram). Há quem diga que ele tinha contatos até com Atlântida, Eldorado, o continente de Mu e até com reptilianos. Grana pra cacete, exércitos fortes, enfim, parecia um reino indestrutível. Parecia...

O fim em dois pedacinhosEditar

Um dia Salomão bateu as botas, e aí colocaram seu filhinho Roboão no lugar. O problema é que Roboão era muito cuzão, achava que podia pedir até o cu do povo. Já de saco cheio, o povo das tribos do Norte deram uma banana pra geral e se juntaram com um pé rapado chamado Jeroboão I, que passou a governar todos, com o nome de Reino de Israel (lembram do que eu falei no início? Lembram nada, bando de puto!), já o povinho de Judá e os benjamitas acabaram continuando no Reino de Judá aos trancos e barrancos. Mas não vou dar spoiler não, depois veja nos artigos de ambos a merda que deu pra cada um.