Moshe Dayan

Cquote1.svg Deus fez o mundo em sete dias... Eu destrui parte dele em seis Cquote2.svg
Moshe Dayan sobre os feitos de Moshe Dayan
Cquote1.svg Nós teremos PAZ em 24 horas... VIVA ou MORTA Cquote2.svg
Moshe Dayan sobre o quinto dia da Guerra dos Seis Dias
Cquote1.svg É um vilão? Um pirata? Não é Moshe Dayan... Cquote2.svg
Propaganda Estatal Israelense sobre Moshe Dayan

Um homem com um olho no futuro? É porque o outro...

Moshe Dayan foi um militar e político israelense nascido na Palestina (!) na cidade de Deganya, que teve o prazer de destruir em 1967, foi o irresponsavél, como General, pelas mais incríveis ações militares da história recente do mundo, a Guerra dos Seis Dias, que como já diz, durou 6 dias.

Também foi arquiteto do primeiro esboço do Acordo de Camp David, neste ele condenava os países árabes à reconhecer Israel, com pena de morte a quem discorda-se. Obviamente, seu amigo Zaza, Yitzhak Rabin, outro General e grande político israelense, que era da linha trabalhista (vulgo: comunismo) de Israel, além de admirador do Movimento Hippie (e porque não RIP), abrandou os termos, e coincidentemente foi morto.

HistóriaEditar

Aos 14 anos, Mô e seus amigos: Ari, Zaza e Nenê, jovens aspirantes a comunistas, fãs de Chê Guevara, entraram para guerrilha israelense chamada Haganá (do hebraico que siguinifica: Defender-se destruindo o inimigo antes que ataque)

Mô, foi preso durante dois anos pelas autoridades britânicas, liderou depois as forças judaicas da Palestina que combateram a França na Síria. Perdeu então o olho esquerdo, enquanto foi torturado nos porões da Ditadura, e passou a usar um tapa-olho.

Na luta pela independência financeira, guerreou contra todos os países na Independência de Israel (1948), comandou a região militar de Jerusalém, e perdeu a região para os árabes - o que marcou definitivamente sua vida. Com a fundação do estado judeu, passou a chefiar as forças armadas (1953) e planejou e liderou a bem sucedida invasão da península do Sinai (1956), o que lhe valeu a reputação de grande comandante militar. Chegando lá, participou de sua primeira Rave, e usou pela primeira vez LSD.

Cumprindo todos os requisitos para ser eleito para o parlamento israelense, o Knesset, (Ser militar, fazer uma rave, e usar LSD de vez em quando), foi nomeado Ministro da Agricultura (1959), algo completamente inútil num país em que 70% de seu território é desertico. Moshe mergulhou em depressão profunda, chegou a montar uma banda de grounge (já que não existia Emocore naquela época), mas percebeu que não prestava pra isso também.

 
Os grandes hérois israelenses, amigos inseparaveis - Zaza não aparece na foto porque estava em Woodstock.

Foi então que em 1967, foi nomeado Ministro da Defesa, e comandou a vitoriosa Guerra dos Seis Dias e passou a exercer crescente influência na política externa (chama-se de Coerção, essa influência). Moshe acabava de conhecer a pior das drogas de sua vida, a maldita Guerra. Viciado, Moshe tornou-se um dos Ministros de Ataque generais mais ativos da história de seu país. Seu prestígio declinou quando os penetras: Egito e Síria, entraram em Israel de surpresa na festa do Yom Kippur sem ser convidados em 1973, armados com exércitos altamente adestrados pelos soviéticos.

Moshe, descobrirá que além de viciado em guerra, havia se viciado em política, uma droga muito pior e mais perigosa. Recuperar seu prestígio começou a ser sua única missão. Escreveu o primeiro esboço do Acordos de paz de Camp David, mas seu amigo de infância Zaza, o melhorou, e levou toda a fama deste grande passo entre o governo israelense e um país árabe. Desesperado Moshe assasinou seu amigo de infância. Foi absolvido pela Corte Suprema de Israel por falta de provas (ele era profissional), mas morreu em Tel Aviv, alguns anos depois, em completa solidão e depressão.

  Lamento ter que ser assim, mas nunca quis mata-lo, mas forças ocultas me obrigaram... Juro que não sei porque. Morro para sair da vida e entrar na História. Sempre o amarei  
Moshe Dayan em carta de despedida

Ver tambémEditar