Ilha do Governador

Cquote1.svg Você quis dizer: Aeroporto Internacional Tom Jobim ou Travecolândia Cquote2.svg
Google sobre Ilha do Governador
Cquote1.svg Morro do Dendê cercado de casas por todos os lados. Cquote2.svg
Geógrafos do MIT sobre Ilha do Governador
Cquote1.svg Cinemmmaaaaaa... *Babando* Cquote2.svg
Insulanos sobre Ilha do Governador
Cquote1.svg Na União Soviética, a Ilha atravessa a ponte pra chegar até VOCÊ!! Cquote2.svg
Reversal Russa sobre Ilha do Governador
Cquote1.svg Ilha? Cquote2.svg
Estrangeiro sobre Ilha do Governador
Cquote1.svg Tem o maior travecódromo do mundo. Cquote2.svg
Guiness Book sobre Ilha do governador
Cquote1.svg Você não sabe de nada sobre a ilha, ela é linda e tem florzinhas por todos os lugares e tem um castelo lindo, que quando eu casar com o príncipe encantado, eu vou para morar lá. Cquote2.svg
Guria Retardada sobre Ilha do Governador
Cquote1.svg Bora para o Ilha Plaza ficar perto do Extra Cquote2.svg
Roqueirinho sobre Um dos únicos pontos recreativos da Ilha Do Governador
Cquote1.svg Partiu La Playa! Cquote2.svg
Playboy sobre o outro ponto recreativo da ilha
Cquote1.svg Jaé lesk! Cquote2.svg
Outro Playboy sobre a frase anterior
Cquote1.svg Três por um real, quem quer quem quer Três gatinhos por um real? Cquote2.svg
Traficante sobre venda de gatinhos na Ilha do Governador
Cquote1.svg Morro do dendê é ruim de invadir... Cquote2.svg
Hino Da Ilha sobre Ilha Do Governador
Cquote1.svg Você conhece o seu nome escrito em um grão de arroz? Cquote2.svg
Hipponga

Considerada o início (ou o fim) do Rio de Janeiro por se encontrar longe e afastada de todo mundo, a Ilha do Governador é na verdade uma ilha flutuante: ela está fora da estratosfera do planeta. Os moradores tem a plena ilusão de que estão cercados por água. Existe uma ponte interdimensional, também conhecida como saída da ilha, que liga esse singelo acidente geográfico às demais partes da cidade do Rio de Janeiro. Entretanto, como o fluxo externo às vezes é muito denso, causa um engarrafamento interdimensional, fazendo com que assim alguns indivíduos sejam teletransportados a outros pontos do universo, como exemplo o cafofo da senhora sua mãe.

É considerada a Zona Sul da Zona Norte, embora os retardados esqueçam que a Ilha fica no extremo nordeste da cidade. Bairro reduque de pessoas de Bonsucesso, Olaria, Penha, Ramos, Complexo do Alemão, São João de Meriti e Duque de Caxias, além de alguns perdidos do Rio de Janeiro.

A população de peixes, tubarões e siris não é considerada pelo IBGE para fins de cálculo. Ainda assim, esse lugar é maior que muitos países europeus, porém seu desenvolvimento é semelhante ao Acre ou ao Alasca.

A ilha e o Governador

Teoria sobre sua existênciaEditar

Por volta do ano de 1234 a.C., a densidade demográfica de tavestis, emos, playboys, playssons, favelados, metidos a marrentos, entendidos de tudo, Xuxas, Gugus e Dados Dollabellas de Niterói atingiu níveis alarmantes. Foi então que a Prefeita Dercy Gonçalves ordenou que serrassem a região conhecida como Cu de Niterói e bicassem-na em direção à cidade do Rio de Janeiro. Felizmente, uma corrente marinha desviou o trajeto da grande massa de terra, mas infelizmente, desviou o trajeto para dentro da Baía, e não para a imensidão infinita e sem fim do Atlântico. Assim a população supra citada seguiu seu rumo sem rumo até atolar na merda existente no fundo do grande pinico, onde até hoje se situa.

TransporteEditar

A Ilha do Governador possui vários meios de transporte em ótimo estado. Seu estado de conservação é espantoso! Vindo da Era Pré-Big-Bang, existem ainda ônibus da maravilhosa empresa Paranapuan. Um deles é o Lendário 327, que passa apenas a cada 78 anos junto com o Cometa Halley. Tem também o famoso cata-mendigo 634, que além dele só o caveirão faz o mesmo percusso. Fora os maravilhosos Ônibus Da Ideal, que têm a linha 696 (na verdade, o nome original era 666, mas por motivos metafísicos neo-carmáticos, foi mudado para 696) que faz o Percurso Estrada Do Dendê - Inferno. Exitem também as maravilhosas Kombis (Do Bielorusso Kombix, Que significa Carruagem para o Inferno). Um meio de transporte alternativo que é frequentemente usado por todos os seres vivos que habitam essa mística ilha. Ninguém tem exata certeza se as Kombis surgiram porque o número de ônibus era diminuto ou se os ônibus insulanos quase chegaram à beira da extinção por causa da proliferação descontrolada das Kombis. De fato, é sabido que essas pragas, digo, essas Kombis param em filas duplas e até mesmo triplas no meio da avenida principal da pitoresca Ilha do Governador, em guerra para ver quem pega o próximo otário, digo, passageiro, em uma competição cyberespacial, mantendo a tradição insulana do inimaginável, com toda a conivência do poder público estrelar. Existem também as barcas, que na verdade são conhecidas como Deathships Of Armaggedon, são naves intergalácticas que viajam vários anos-luz em segundos (aproximadamente 760 milhões de anos-luz em 60 minutos, distância entre a Ilha do Governador e o Centro da Cidade).

CulturaEditar

  • Biblioteca Popular Euclides da Cunha, uma biblioteca jeitosinha, mas com vários problemas de funcionalidade e de infra-estrutura, já que a prefeitura jamais manda 1 real sequer para consertar a privada.
  • Casa de Cultura Elke Maravilha de Holanda (Falido em 2013)
  • Lona Cultural Renato Russo - Inaugurada em 2007, está fadada ao mesmo destino da lona antecessora: primeiro vai se tornar um antro de maconheiros para depois acabar em total descaso.
  • Livraria Café com Letras: Localizado no Ilha Plaza, não tem uma expressividade muito grande porque vai fechar em breve mesmo. Eu avisei...
  • Livraria Nobel - Preciso dizer o que vai acontecer? (Até que está aguentando bem, logo vai pro Guinness)
  • Existe uma grande quantidade de motéis na Ilha do Governador, os mais famosos deles se localizam na Praia da Bica: o Sunshine, que é caro e tem um péssimo serviço e o Joalo´s, vulgo "cara-do-gol", conhecido por ao término das atividades lá realizadas o casal já sai "na cara-do-gol", ou seja, defronte à Praça Jerusalém, umas das mais movimentadas e frequentadas do bairro, sendo alvo de chacotas e brincadeirinhas do tipo "tomou?"
  • Podrinho (abelinha): Restaurante de cunho cultural, onde você aprende a não ter receio de comer um Super-Cheeseburger com alface guardada num pote cheio de água com tomate, batata-palha, milho, ervilha, por apenas R$1.
  • Além do Podrinho, há também seu genitor, o Podrão. Com um atendimento de merda, eles vendem seu famoso sanduba de pão e carne por R$31,00.

BairrosEditar

A Ilha, ao contrário do que pensam, não é um bairro, é a bosta de um acidente geográfico.

  Pra mim é um estado!  
Lula sobre Ilha do Governador
  Pra mim é uma cidade!  
Morador da Baixada sobre Ilha do Governador
  Pra mim é um mundo!  
Morador da Ilha do Governador sobre que nunca saiu dela

  • Cocotá: Existem diversas atrações turísticas como o travecódromo e as barcas (Deathships of Armaggedon), sem falar da Igreja de São Sebastião em que a estátua perfurada por balas foi coberta de flechinhas do amor.
  • Dendê: Na verdade, não é um bairro, é uma favela, mas, por sua expressividade, é considerada a terceira maior favela da América Latina, servindo de inspiração para o Capitão Nascimento fazer sua musiquinha de entrada.
  • Ribeira: O point Gastronômico da Ilha com vários restaurantes prontos a atender a um grande público (o pessoal de classe média alta da Ilha do Governador que somam menos de 0,2% da população). Famosa pela Engenhoca, uma praia poluída que é tida como a Copacabana de muitos moradores.
  • Consulado do Dendê ou Praia da Bandeira: É a parte onde nada é consertado já que o Governo Paralelo do Tráfico não dá permissão para obras; Por intervenção divina foi recentemente reformada, mas continua uma bosta, bosta polida, mas ainda sim uma bosta.
  • Ilha Plaza: Popularmente conhecido só pelos moradores desse cafufo de "OIvo Plaza" devido ao fato de você entrar, dar um passo, e ter percorrido todo o lugar. Esse treco não é um bairro, entretanto nego na kombi grita como se fosse e é um dos pontos de referência. É um Shopping Center que tem várias coisas bonitas, como várias lojas fechadas. Até pouco tempo atrás, nem cinema tinha. Sua escada rolante é a única atração que o Shopping tem a oferecer. É adjunto ao supermercado ASSAI, onde nas noites de Sexta-Feira e Sábado o Pessoal mais "Heavy" (Roqueirinho poser) chega junto. Também é famoso por ter a galera da moda do momento.
  • Praia da Bica: Aqui mora quem tem grana e aqui também ocorrem vários eventos nos fins de semana como orgias e surubas. Existe também a lendária Língua Negra, que é um belíssimo ponto turístico da Ilha. É o lugar onde todos os jovens vão as sextas-feiras e aos sábados (ou então vão para o Ilha Plaza). É um tipo de lei: Se você não tem nada pra fazer, acaba indo pra Praia da Bica continuar não fazendo nada lá.
  • Portuguesa: Bairro de classe média, não tem favelados nem milionários. Fica perto do ASSAI e Bom Marché Extra e próximo de tudo. Resumindo: é um bairro pra quem não é rico, nem favelado e é cercado de condomínios, dentre eles o Santos Dumont, considerado o condomínio melhor estruturado da Ilha do Governador (melhor que nada!). É onde tem o único estádio da ilha, que já foi invadido pelo Flamengo e pelo Botafogo.
  • Parque Royal: Ninguém sabe se é um bairro ou se é o lado negro da Portuguesa. De qualquer jeito, não dá vontade de conhecer;
  • Tauá: É um bairro que ninguém sabe ao certo sua utilidade, pois não tem merda nenhuma de bom por lá. Inspirado na tribo dos boi-lambeu, seu nome siginifica bosta amarela, fazendo alusão às pessoas que comem do único mercadinho da região, o Mundial e bebem de sua linda fonte: o Mangue da Guanabara na Praia da Rosa. Recentemente, construíram uma Clínica da Família, em vista de atender a tudo que é doente da Ilha em vista da deficiência dos poucos hospitais da região.
  • Bancários: A Faixa de Gaza da Ilha, um dia sem tiroteio é atípico, além de ser o ponto de encontro de todas as kombis da Ilha. Seu hospital fica perto de um valão pois há relatos de que as pessoas que procuram a esse hospital terminam no mesmo, explicando o rápido atendimento do lugar.
  • Freguesia: Lar do famoso Peixão, em que a pessoa pode comer muitos peixinhos e pescar grandes baleias. Centro de lazer e point de fim de noite dos insulanos, com cerveja barata, sinuca e meninas da mais alta estirpe (ao menos com algumas cervejas se tornam lindas sereias). É mais ou menos assim: Tá sem grana pros quiosques da Praia da Bica? Então vai pros quiosques da Freguesia!
  • Galeão: Única parte da Ilha que mais de 98% dos estrangeiros conhecem, graças ao seu importante Aeroporto Internacional, que não se configura como uma saída da ilha, já que insulanos não possuem capital suficiente para comprar passagem.
  • INPS 200: Ponto final das kombis, é um setor mítico do local, tipo Atlântida. Ninguém sabe onde fica, apenas sabe que existe porque pessoas vão pra lá. Dizem que é uma das portas de saída do Triângulo das Bermudas: o que desaparece lá, surge no 200.
  • Jardim Guanabara: Local da alta classe da Ilha, que em Ipanema não deve ser mais que classe média baixa. Os moradores vão tomar sol no Iate Clube e acham que estão em Mônaco, assim como nos bairros mais ricos de Uganda, o pessoal acha que está em Paris.
  • Tubiacanga: Não existem muitas informações desse lugar. Peixes dizem que fica um pouco depois do apocalipse, e um pouco antes do fim do mundo. Apelidado como "Tubialama", também é um bairro bem desenvolvido ruas de barro, casas quebradas e festas. Bairro cenário de 1950 e 10. É o bairro em que até o motorista de ônibus tem vergonha de dizer que existe.
  • Jardim Carioca: Dizem que esse bairro existe, não há muitas informações sobre ele, pois dizem que ele fica numa dimensão além das já encontradas. Reza a lenda que o bairro é sombrio, com cemitérios e mortos andando à solta.
  • Moneró: É um bairro onde os manogueto do Parque Royal se encontram. Na verdade este bairro se resume ao corredor esportivo. O fenômeno que acontece no Jardim Guanabara acontece com o Moneró, porém em escala menor: Os moradores vão tomar sol no Governador Iate Clube e fingem que estão no Jardim Guanabara;
  • Itacolomi, Usina ou Cantão: Lugar onde se planta cana de açúcar e testes de armas do exército também conhecido como área 51 brasileira. Não há indícios de vida humana por lá.
  • Pitangueiras: Bairro cujo acesso é feito somente por duas das ladeiras mais íngremes do Rio de Janeiro. Teria sido local da favela mais imponente de toda a Ilha, mas fizeram lá aquele monte de casa de classe baixa, todas com pintura e com móveis de gente. A maioria dos moradores dorme ao som de funk e ficam ilhados quando chove forte.
  • Colônia Z-10 É uma favela resumida onde metade dos moradores são provavelmente seus familiares.
  • Zumbi: Não era pra ter comentário, pois como posso fazer um comentário sobre O NADA? É o lugar onde nem o vento faz a curva! pode ser a hora que for: 08 horas, 01 hora, 18 horas você nunca encontrará ninguém, a não ser nos anos 80/90 a época em que todos os jovens daquele local só faziam merda e frequentavam os mesmos locais: a padaria, chopão, Jequiá e festas de rua.

EducaçãoEditar

A educação na ilha já teve grandes momentos, mas hoje em dia é uma verdadeira merda, o único colégio bom é a explicadora da dona luzia da esquina.

  • Miguel Couto:Maconheiros, alunos que se dizem comunistas mas estão sempre às terças no McDonald's e vão pra Disney no final do ano, retardados que gritam como se tivessem engolido um apito (famoso queimador de roscas que mama o Uber aos finais de semana) e garotas com fogo no cu (feministas peludas que não lavam a xereca, puta cheiro de peixe irmão). Esses costumam se reunir na suruba da biblioteca todo dia para discutirem como irão destruir um macho a cada dia. Já veio saiu e voltou da Ilha mais vezes que Jesus, e agora acabou de ir embora de novo.
  • Estácio de Sá:Os alunos estudam igual uns desgraçados, a faculdade já era conhecida como vilarejo dos viados e das sapatões, hoje todo mundo lá se beija e foda-se.
  • Cape:Atualmente a Sodoma e Gomorra dos colégios da ilha, o ensino é bom, lá se encontraram todas as espécies desde viados, nerds, otakus, e playboys. Um colégio que reúne todos os perebas que não tinham pra onde ir.
  • Cap:É diferente do CAPE, pois lá é a sobra do pessoal do cape e mais um monte de playboy vacilão.
  • Newton Braga: Teoricamente colégio para filhos de militares, cujo rigor era característica na década de 80/90. Hoje em dia, o colégio está tomado por professores maconheiros que impõem que o socialismo funciona e a Dilma é a mãe dos brasileiros. Os professores fingem que ensinam e os alunos fingem que aprendem, revolucionários fracassados na década de 70, emos, alunas piranhudas, além de se tornar uma fonte geradora de Cefeteiros de plantão. Teve célebres alunos, como Marcelo Rezende, Mr. Manson, Inri Cristo e Roger Sapatinho (ex-Fluminense, ex-Corinthians, ex-Flamengo, atualmente gremista e veado).
  • Lemos Cunha: Misto de escola e clube, o colégio é maior que o Suriname, era a ideal para os treinamentos de campo, como técnicas de furtividade na selva e técnicas em luta corporal, que eram praticadas no seu anexo MOBILHA. Daí veio a expressão "Te pego na Mobilha", bastante ouvida e proferida no fim dos anos 80 e início dos anos 90. Lá também costuma rolar putaria da pior qualidade (amasso hétero/homo entre os alunos) em qualquer parte nos fundos do colégio (principalmente na Horta). Há também grande trânsito de escoteiros passeando pela sua porta aos sábados com lenços nas cores do colégio.
  • Educandário Thales de Mileto: Pra começar...Não paga nenhum professor. Consagrado nas décadas de 80 e 90 como o melhor lugar para estudar no bairro. Hoje já não possui tanta expressão como antes, entretanto, continua sendo uma escola famosa na Ilha do Governador. As más bocas garantem existir um "inovador sistema de crédito educativo, onde basta pagar para passar de ano", e é verdade. Cada professor que passa pelo Thales e sai (pelos seus salários não pagos) guarda boas histórias pra contar pros alunos de colégios mais consagrados.
  • Paranapuã: É a casa dos nerds, emos, e playboys. Grande parte dos famosinhos da Ilha se concentram lá naquele cubículo chamado de colégio. Adoram uma fofoca e qualquer festa que você vá na Ilha, sempre vai ter alguém do Paranapuã se achando superior. O ensino até que é bom, porque os alunos passam mais tempo no colégio do que em casa.
  • CarpeDiem: Inicialmente um cursinho abre portas como qualquer outro, mas atualmente um prédio/colégio com o alunos suficientes para encher a padaria da esquina, mais conhecida como cantina do colégio. Famoso pela grande quantidade de alunas bonitas e especialmente "de nárnia". Ensino bom e mensalidade acessível, dependendo da bolsa, do grau de parentesco com os professores, ou do nível homossexual em que os alunos se encontram. Onde também há uma grande concentração de comunista que adoram ter iPhone e dizem que são pobres, e também alguns professores doutrinam os alunos para serem comunistas vagabundos
  • MV1: Um colégio onde os falidos do Jardim Guanabara põem seus filhos e até os que não possuem tanta verba podem colocar pois os preços variam de acordo com a conta bancária. Assim como o Paranapuã, apresenta as mesmas criaturas, e de outros colégios, de todos os níveis, melhor dizendo: tem todos os tipos de criaturas. O MV1 é conhecido também como o colégio das aranhas gostosas. O CEC é conhecido por abrigar a maior quantidade de pão carecas moradoras do tijolinho, CEC só não faliu ainda por que todos os alunos que estudam lá vão embora a pé, há também a grande troca de inspetores, que são demitidos a cada 3 meses pq não conseguem controlar os alunos.
  • CHF: Após a falência do Humanitas, essa merda ressurgiu das cinzas. Onde 80% mora no tijolinho (leia-se favela melhorada), CHF também é conhecido por roubar os alunos do Gibson (que ainda não se sabe como esta existindo). A maioria dos alunos além de ter um "leve" retardo mental, tem tendências suicidas e enorme gratificação em repetir de ano.
  • JGS: É mais um exemplo de centro de lazer na Ilha. Seu sistema de ensino é baseado na filosofia Vampetiana "A gente finge que ensina e os alunos fingem que aprendem". E que só foi bom pra quem estudou nos anos 80.
  • Horizonte: FALIU
  • Bretanha: O colégio dos viados, sapatões, patricinhas, alunos imaturos e etc. Se situa no fim do mundo, Freguesia. A educação é boa porem os alunos se acham superior por qualquer coisa. Os alunos são os riquinhos do fim da Ilha que acham que têm algum status porque pagam o lanche com cartão de crédito (sim, lá tem aluno que faz isso). Mantém uma relação de amor e ódio com os alunos da Edel, o maior evento da historia do colégio foi o dia em que ele foi invadido por bandidos.
  • Edel: 70% da população da Ilha não conhece e então sua existência é questionada. Os poucos que conhecem, dizem que fica na Freguesia. Seus alunos sempre são vistos pelas ruas da Freguesia/Bananal matando aulas à tarde.
  • Cambaúba: O mais tradicional colégio da Ilha do Governador. Concentração dos mais ricos playboys e patricinhas. Metade das espécies podem ser observadas sexta à noite na Praia da Bica e outra metada no Quebra Coco (Jardim Guananara). É a escola mais cara da ilha e uma das mais caras do país. Não se sabe nada o que rola por dentro, pois até para passar na calçada se paga.
  • Iglesias: Um colegio de playboys, patricinhas, repetentes, otakus e os que acham que são ricos. O ensino é uma bosta lá niguém se importa com o ensino ou a saúde mental e física dos alunos. E a única coisa que acontece lá é desastre.
  • Pensi: Um colégio baseado na teoria em que o dinheiro é o que mais vale o ensino é uma merda e os alunos são totalmente perdidos.
  • CeEduca: Um colégio pouco conhecido na ilha do governador que fica na freguesia com um ensino de baixa e muito atrasado na questão modernidade os alunos são super baba ovos de outros colégios como Paranapuã, os alunos adoram falar como o colégio é uma merda e como sonham em estudar em outro colégio mas na maioria dos casos 50 alunos vão pro Mendes e no máximo 2 vão para o sonnart e acabam se tornando cobradores de van.
  • CEL: Colégio que ficava onde é o atual Elite, atualmente fica no seu afiliado o CFV, os estudantes pesam que são inteligentes e que vão passar para universidades publicas mas a verdade é que eles são um bando de PlayBoys bêbados que vão fazer PUC.

Cem:colégio Cem aluno.

  • Zerohum: Vindo de São Paulo, veio mesmo para substituir o Passaredo. O Sinal Toca 27 vezes no dia (contando manhã e tarde, ensino médio e preparatório) e é muito barulhento, no Tauá. No Jardim Guanabara, o sinal não toca muito (ainda bem).
  • Ogamitá : é o Zerohum dos pirralhos.
  • Abeu: Era um Colégio vazio e estranho, substituiu Abene.
  • Abene: Novo Passaredo.
  • Passaredo: Colégio com 29 anos, que tinha apenas a unidade da Praia da Bica e passou a ser conhecido a pouco tempo quando abriu uma sede nova no Tauá. É mais ou menos assim: Não tem ideia de onde colocar seu filho? Coloque-o no Passaredo porque é conhecido como colégio "tapa-buraco", só em última necessidade pra se matricular lá mesmo. Colégio cheio de câmeras, até no banheiro. Parece até um BigBrother.
  • Sonnart: Parece ser rigído, onde os pais que na sua maioria são do militarismo, colocam seus filhos pensando que vão seguir a carreira, mas na verdade este colégio é uma merda, o Professor e Diretor Avelino é um completo pirado que acha que está em um filme de espionagem norte-americano, os estudantes não passam de um bando de CDF's burros. Antigamente o colégio conseguia varias aprovações no Colégio Naval e Militar; hoje em dia se conseguir uma já é um milagre. Colégio composto principalmente por nerds que se acham por fechar o X-Mat, Johans, Aurelios e Fabiano Cocudo.
  • Prosper: É para onde vão os que não foram pro MV1, se situam quase um do lado do outro. A rivalidade é presente entre os dois, a diferença é que o Prosper é pra quem quer se iludir que irá ser militar, e o MV1 é pra quem quer se iludir que irá passar para uma faculdade pública, mas na verdade todos os alunos de ambos os colégios vão para a Estácio, é conhecido pelos punheteiros como colégio das gostosas.
  • Santa Mônica: A escola de viados, lixos humanos, fracassados, gostosas e muitos alunos que não querem porra nenhuma (que por algum motivo eles têm namorada). Em sua maioria falidos que procuram um "ensino de qualidade".
  • SEF:Um colégio que forma os alunos para serem boms mendigos, com um diretor que torce pro fluminense e atira pra cima quanndo o time ganha um jogo oque é muito raro.

Colégios públicosEditar

  • Mendes de Moraes: O colégio estadual de Ensino Superior onde vale a pena os promoters do Provisório distribuir seus flyers. Escola conhecida por adotar pessoas de diferentes facções da ilha em um mesmo espaço. O que se resume em brigas de UFC todos os dias na praça da Freguesia banhadas a vinho e muito milho para as galinhas da escola. O colégio hoje passa por reformas exigidas pelo governo como detectores de metais e armas de choque para a segurança dos professores.
  • Tia Lavor: Quando o Opera faliu por não pagar imposto, o Estado se apropriou desse colégio e o transformou num colégio estadual de ensino médio, o colégio é infestado de favelados pois fica no início do Guarabu.
  • Cuba: só Fidel Castro aprova.
  • Bandeirão: Um colégio público, cheio de gente ignorante e favelada, que acha que pode tudo, e 99,9% das pessoas adoram uma briga, então, não se meta em uma confusão com alguém daquele colégio, vai ser trágico.

Gurgel do Amaral:é um preparatório para o Padre Severino.

.Padre Severino:Presídio para bandidos juvenis.

O ensino superior limita-se à concessionária Estácio de Sá, a UniverCidade Operon, Uniabeu (que ninguém sabe onde é) e a FACIG (Faculdade Clubista da Ilha do Governador) situada no Lemos Cunha.

ComércioEditar

É baseado na venda de gatinhos para cheiramento, turismo sexual, venda de pipocas na frente da Lona Cultural, Açaí do Podrão, catálogos da Avon, Gold do WoW com o Mendigo e cheeseburguinho na Praia da bica.

PopulaçãoEditar

  Como se faz para descobrir que alguém é da Ilha do Governador?  
Noob sobre População Insulana

Respondendo aos noobs, tem uma maneira fácil. Jogue-os em uma sala escura: se ficar parado, é totem; se dançar com a parede, é gotico; se chorar, é emo (um indício de que pode ser insulano) e se assaltar as demais criaturas na sala, é insulano. A população insulana é basicamente formada de 25% emo, 45% favelados, 10 % Playboys, 20% de travestis. Dentro desses 25% emos, 12,5% são mulheres e o resto faz bico no salão de cabelereiro ou dá a bunda por R$15,00. Dos favelados, 20% Mulheres e 5% fazem curso de cabelereiro. Dos 10% de playboys,¨50% são mulheres (patricinhas playboys femininas) e 50% são bichas enrustidas. Os travestis, são travestis. Existe a população estrangeira; qualquer um que não se enquadre nisso não faz parte da população da raça insulana, os Homo insulae Caso você vá pra ilha do governador cuidado com o zéquinha da motoca um ladrão de MOTOG

GastronomiaEditar

A Ilha é uma verdadeira Meca da gastronomia carioca e, diga-se de passagem, mundial. Por ano, milhares de turistas são atraídos para essa terra das delícias, para provar de suas iguarias raras. Chefs do mundo todo peregrinam para este modesto vilarejo em busca de seus segredos gastronômicos guardados a sete chaves pelo Zé Moraes.

O maior e mais respeitado restaurante da Ilha do Governador é o Super Mec Lanches Podrão, conhecido no estrangeiro como Le Podrón. Um dos poucos restaurantes do mundo que se gabam de ter cinco estrelas no Guia Michelin. O Le Podrón é dirigido pelo Chef Alex Peruca, uma das maiores celebridades do vilarejo e conhecido por todas as pessoas, animais e coisas que lá residem. Sua competência na cozinha e nos negócios garantiram uma rápida ascensão e crescente reconhecimento na arte de cozinhar bem. Ir à ilha e não degustar das delícias do Le Podrón é a mesma coisa que ir a Roma e não ver o Papa. As entradas, saladas e sobremesas são de extremo bom-gosto, todas elas assinadas pelo Chef Alex Peruca. Com exceção de obras-primas como o Sete Pecados Capitais (um sanduíche com 7 hambúrgueres de picanha de ornitorrinco + salada, ovo, queijo, presunto, bacon, gorgonzola, picles, requeijão, batata-palha, raiz forte, chilli, caviar, camarão VG, nuggets, miojo e sashimi de tubarão-martelo), que foi criado em parceria com Jamie Oliver, Narcisa Tamborindeguy e Miguel Fallabella.

Reza a lenda que um homem chamado Croner uma vez conseguiu comer o Sete Pecados Capitais sozinho, mas ninguém sabe se é verdade ou não. Há indícios de que este jovem foi capturado pela Al-Qaeda, que planeja atacar novamente Nova York, mas dessa vez se utilizando das flatulências letais que serão emitidas pelo ânus deste rapaz.

PointsEditar

Alguns points importantes da Ilha:

  • Deck 303: Antigo Studio 54, agora esta merda casa de shows possui apenas duas atrações, Gaiola das Popozudas (foram em apenas um show e furaram 16515155416598495189 vezes) e Mr. Catra (furou 2157215724651748 vezes). Há também o famoso show para ninguém que é a atração mais forte da casa, tendo nenhuma atração e nenhum público pagante. Geralmente o público alvo da casa são os "Parelha" (tudo marginal) e as "Nem" (tudo piranha cracada).
  • Provisório: Fica na Praia da Bica e é o point da playboyzada. Costumam lotar o ambiente todas as semanas para ver as mesmas atrações (funk, pagode e samba) com os mesmos Djs. A praça Jerusalém em frente à boate é conhecida como ringue na saída das festas, com modalidades belíssimas como lançamentos de long neck, revezamento de judaria e a modalidade mais praticada pelos playboys do Iate que frequentam o local: a modalidade "vou chamar o meu pai".
  • Farol Lounge: Também fica na Praia da Bica e disputa com o Provisório pra ver quem enche mais. Não faz muita diferença porque os dois tocam as mesmas músicas e contam com a presença das mesmas pessoas. Tirando a parte boate, existe a parte bar, mas só vá pra lá se tiver com muita grana mesmo (porque é caro pra caralho viu...) e caso contrário, fique em um dos quiosques da Praia da Bica comendo um podrão que pelo menos você economiza dinheiro.
  • Arena Sport Bar: É o mais perto que a Ilha do Governador chega de um Outback. Os maiores frequentadores são os playboyzinhos e as piriguetes do Jardim Guanabara, já que a galera dos outros bairros têm que economizar três meses de salário pra passar uma noite lá.
  • Atrás do ASSAI: É o unico lugar da dimensão insulana onde é possível encontrar punks gays se beijando na porta de um supermercado que fica aberto até as 23h. Depois disso, todos vão para casa teclar no MSN, Mirc e Bate-Papo Erótico do UOL.

Lanche do zaca na verdade agora é ALEX LANCHES obs:cuidado ao receber o troco e outra e o quiosque que é o MAIS CARO DA ILHA PARA SEU ALIMENTO



  • Posto Ilha: O point máximo da bandidagem insulana. Segundo uma pesquisa do IIPPCRM-IG(Instituto Insulano de Pesquisas Pertinentes ao Comportamento Ridículo do Morador da Ilha do Governador), se todos os frequentadores desde belíssimo posto de gasolina localizado em frente ao Big Ben do Cacuia fossem atropelados e espremidos, o resultado seria a essência suprema do suco do inferno. O ambiente é composto por playboys, traficantes, travestis, roqueiros, funkeiros, eu, você e a tua mãe. A cerveja é quente, o atendimento é precário, o banheiro é imundo, a Smoking é cara e tudo mais é ruim. Mas o point ostenta o posto de maior frequência entre os points insulanos.
  • Praia de São Bento: É conhecida também como praia do pentelho grosso, por ser point principal das empregadas e mulheres feias. É o único lugar da ilha acessado por pessoas extra-ilha, mais especificamente dos Complexos do Alemão e da Maré. Trata-se de uma praia (entenda como merda) cheia de traillers tocando pagode e funk num volume absurdo, o que deixa todos os seus frequentadores irados, fazendo com que se degladiem e se espetem com os mais modernos terçados do mercado. Para analisar mais profundamente este evento, o sueco, advogado e maconheiro Fernandsen SaoBentsson desenvolveu uma fórmula que fornece valores precisos sobre a Praia de São Bento: multiplica-se a quantidade de cerveja ingerida pela quantidade de pessoas transitando pelo point para descobrir o número exato tiros disparados na noite em questão.
  • Corredor Esportivo: De onde tiraram que isso é point? Lá só vão as pessoas que não moram perto da Praia da Bica e se iludem achando que têm uma área de lazer disponível. Lá existe o basquete que é realizado nesta atual quadra desde março de 2002, os jogos acontecem diariamente, em dias de semana (principalmente às 20:00 horas) e nos finais de semana (principalmente às 19:30 horas).
  • Feirinha do Cocotá: A maior feirinha do Rio de Janeiro de falsificados que se pode imaginar. Tem tudo falsificado, réplicas que duram alguns dias, com preços baixos, é o shopping dos pobres, até quem não é insulano vai lá. O povo todo do dendê desce para comprar o tênis da nike e a camisa da roxy, pois é só assim que eles conseguem. É também onde ocorre o maior movimento aéreo de pipas, morrer por linha é facíl, esse evento místico ocorre todos os domingo no aterro do cocotá com direito a comida estragada, tortas cheias de bactérias que nego respira em cima, e forró com um som ruim que se tentar escutar os ouvidos explodem.
  • Peixão: Um dos mais importantes ou talvez o mais (importante) dos points é o peixão. Um prostíbulo muito frequentado, onde se encontram putas muito ruins (muito ruins mesmo) onde 98% da população masculina insulana perde seu cabaço. Fica localizado no fim do mundo da ilha, um lugar místico onde poucos passam sobrevivem (o bairro da Freguesia.). Variação de gastos fica entre R$10 (blow job) e R$25 (pussy). Se for numa festa no Nautilus não beba muito ou você pode acabar no Peixão com a puta X-Tudo...

TelevisãoEditar

 
Insulana mostrando a insulano o porquê do nome Praia da Pica.

A Ilha do Governador já foi abordada por vezes na televisão brasileira, servindo de cenário para várias novelas, minisséries, seriados e afins do canal quatro. Mas em nenhuma ela teve tanto destaque quanto na primeira temporada da novela Lost, que passava na Rede Globoàs 7h da manhã, logo após o programa do bolinho Ana Maria.

O seriado narra a saga de passageiros de um avião da LATAM que, ao tentar pousar no Aeroporto Galeão, é obrigado a meter e arremeter sem parar por causa de um tiroteio na pista e ao levar bala na fuselagem, acaba caindo em uma praia da Ilha, conhecida como Engenhoca, o pedacinho de Búzios na Ilha do Governador.

Ao cair nessa praia, os passageiros são assaltados, sequestrados, estuprados e fuzilados. Os sobreviventes rapidamente se acomodam em um boteco e resolvem terminar tudo sem camisa com uma cervejinha, vendo o jogo do Botafogo e comendo bolinho de bacalhau na Praia da Pica.

Você sabia queEditar

A Ilha de Caras tem uma filial na Ilha do Governador?! Celebridades como Fernandinho Guarabu, Leandro Hassum, o Papa, Dom Pedro II, Beth Lago, Pedro Bial e Mulher-Samambaia já passaram pelos tapetes vermelhos dessa tão famosa e bela ilha. As festas geralmente são dadas na quadra da União da Ilha, que agora conseguiu subir para o grupo especial. Há também atividades, para os famosos, como o tour na Baía de Guanabara com as barcas (Deathships of Armaggedon) sem manutenção há pelo menos 40 anos (sendo otimista, acredita-se que algumas são até antediluvianas), o Pagodão do La Craia e o Deck 303 da Ilha do Governador.

Há também uma Antiga História da Estátua da Pedra da Onça, situada no final do Bananal. Um Pescador tinha uma onça como estimação, e todo dia, Levava-á junto com ele à praia Para pescar. Enquanto ele pescava ela sempre ficava numa pedra esperando ele voltar. Porém, Teve um dia que ele não voltou, mesmo assim ela continuou-o esperando, esperando, esperando e puf... Agora é essa Pedra.