História da Antártida

Mais um azarado que se trumbicou no meio do gelo explorando a Antártida.

A história da Antártida é entupida de contos de alienígenas e reptilianos que viviam nessa região, além de supostos ietis e similares e... não não, isso tudo é baboseira, provavelmente a Antártida nunca foi um canto com muitos humanos, pelo menos não até pro volta do final do século XIX. Antes disso, máximo que rolava era um ou outro enxerido que passava por lá, como alguns dos povos Aush da Terra do Fogo e um chefe maori chamado Ui-Te-Rangiora, que dizem que deu um chega por lá no ano 650, mas não curtiu muito o clima de inverno eterno da região, e por não saber patinar nem curtir icebergs porrando em sua embarcação, correu fora. Além desses, até o século XIX só o Jaime Cozinheiro deu uma visitinha por alí por perto, além claro, de uns otários que porraram seus barcos sem querer ao transitar pelo Oceano Antártico.

Então basicamente a história mesmo da Antártida é só a história de exploração que começou a ficar mais forte no final do século XIX, com uns escrotinhos como Roald Amundsen e Robert Falcon Scott tentando serem o primeirão a chegar no Polo Sul geográfico, entre outros que a princípio só queriam mesmo esse tipo de diversão, mas logo começou uma putaria sem tamanho, ao ponto de criarem o Tratado da Antártida que divide o continente para 27 países fazerem pesquisas científicas e contrabando de gelo com a Máfia dos Pinguins.

História pré-descoberta pelos europeus (já que descoberta por outros povos ninguém dá um puto)Editar

 Ver artigo principal: Terra Australis

Tal qual as lendárias Atlântida, Mu e a Ilha Brasil, dentre outras, acreditava-se plenamente na existência de um continente bem ao sul, tanto que sempre aparecia em mapas europeus entre o século XV e XVIII. Esse continente seria no subcu do planeta, no extremo sul. Tempos mais tarde o termo passou a designar a redescoberta Austrália, perto da ilha de Austrália do Espírito Santo (a primeira "Austrália" designada em mapas de maneira mais "coerente", mas depois simplesmente tacaram o foda-se pra essa designação toda).

Mas muitos anos depois o próprio James Cook que circunvagou a Austrália, passou próximo do Círculo Polar Antártico e se deu conta de que de fato poderia ter uma "Terra Austalis" lá pelo Polo Sul, mas identificar com precisão cirúrgica só se alguém tivesse coragem e um bom aquecedor nos navios para conseguir dar um chega naquele canto gelado.

Verdade seja dita, outros malucos como Américo Vespúcio no século XVI, já tinha visto umas possíveis terras pros cantos de lá do sul, mas não chegou a ir nem a metade do que James Cook ainda tentou ir.

As primeiras idas na freezer meridionalEditar

No século XIX uns pescadores famintos foram comer hambúrguer de siri nas Ilhas Sanduíche do Sul. Posteriormente outros chegaram às Ilhas Shetland do Sul, à Terra de Graham, à Terra de Alexandre I e ao mar de Weddell (esse último ganhou o nomezinho do seu descobridor, James Weddell, o único que teve coragem de enfiar o próprio nome numa descoberta invés de colocar no nome de um rei dele ou sei lá quem mais). Depois do Polo Norte Magnético (e o geográfico) ser localizado em 1831, exploradores e cientistas começaram a busca pelo Polo Sul Magnético e seu irmão mais famoso geográfico também.

O felizardo (ou não) a conseguir esse feito foi Roald Amundsen e seus homens, todos num barco passeando pela Antártica em 1898, mas que acabaram enguiçando com o barco na costa (algo que se tornou comum para caralho ao longo dos anos - e que graças ao Efeito Estufa e ao buraco na Camada de Ozônio tá virando lenda, igual ao gelo da Antártida), e, mesmo com os homens tudo ficando doido da cabeça, o norueguês conseguiu o feito de chegar no centro do picolé em 1911, numa nova viagem para os recônditos da terra do frio total (anos mais tarde, comandando o dirigível Norge em 1926, ele viraria o primeiro a ter passeado pelos dois polos da Terra, só pra dizer que a terra não é plana). Anos antes, em 1908, um zé chamado Ernest Henry Shackleton também tentara chegar antes do Roald no Polo Sul, mas devido ao escorbuto que ele contraiu, ele ficou com o cu molenga e acabou virando picolé humano, e aí o Roald só viu mesmo as esculturas do Ernest e sua trupe, algo parecido com outro concorrente do Roald, Robert Falcon Scott, que se estrepou no mesmo ano que o Amundsen.

Depois disso geral começou a tentar atravessar o continente gelado, montar bases e encontrar picos para escalar por lá (o Edmund Hillary, o primeiro conhecido a subir o Monte Everest, foi um desses). Daí o Tratado da Antártida foi estabelecido, ajudando primeiramente a Liga da Justiça Internacional a montar sua versão picolé mal-sucedida e pelo Superman e uma de suas Fortalezas da Solidão, vários países começaram a estabelecer suas bases por lá, inclusive umas bases de viagem aérea (se bem que nesse último caso, depois de um acidente com um DC-10 que virou picolé antes de cair, o povo desistiu de fazer esse tipo de viagem por lá, a região virou o Triângulo das Bermudas do sul, só maluco inventa de passear de avião por lá agora, como o John Mirolha por exemplo...).