Erik, o Vermelho

Viking arca de Noé.jpg Ek est årtikkel Vikingen!

Este artigo veio das frias terras dinamarquesas! Ele gosta de remar, louva Odin e o Deus Metal, não tem nenhum senso de privacidade ou de educação e seu autor chegou ao Valhalla. Não vandalize ou envolva a Finlândia neste artigo!


Erik, o Vermelho, ou Erik El Colorado, ou Erik Le Rouge ou Erik The Red, foi um membro do Partido Comunista Sueco, que lutou pela Revolução Viking Socialista e pela consolidação da República Popular da Escandinávia.

OrigemEditar

 
Erik cruzou os mares até chegar em São Tomé e Príncipe, onde aprendeu a falar português

Pai de Leif Eriksson, o primeiro homem a descobrir a América (Colombo foi apenas o vice-descobridor da América). Erik e seu filho influenciaram nomes como Roald Amundsen a descobrirem outras regiões geladas.

Um verdadeiro briguento, onde foi expulso da Noruega por ter assassinado seu vizinho quando assistiam às eliminatórias para a Eurocopa, onde discutiam o futuro do Mercado Comum do Norte. Desabrigado e desterrado, Erik foi obrigado a cruzar os mares, em busca de um lugar onde pudesse pedir asilo político.

AventurasEditar

Em seu navio revolucionário, Erik espalhou suas doutrinas por todo mar do Norte, mar Báltico, Islândia, Groenlândia e América do Norte, onde foi perseguido pelo senador McCarthy e Olavo de Carvalho. Na Islândia também teve umas pequenas discussões, e foi expulso pelo pessoa da Direita Glacial Ártica.

Inconformado, Erik desce para a Península Ibérica para lutar contra as ditaduras de Salazar e Francisco Franco, onde foi surrado. A última invasão de Erik foi no Mar Mediterrâneo, onde foi saudado pela esquerda francesa na Rivièra e aportou na Itália em busca de Garibaldi. Mas encontrou Antonio Gramsci, e foi convertido para a corrente grasmcianista do socialismo.

Atualmente Erik trabalha em Helsinki na Finlândia e escreve livros de História para a Primeira Série que lastimam a independência do país da União Soviética.

Ver tambémEditar

v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!