Bielorrússia

Великое Герцогство
Бобруйское
Belarússia
Bandeira da Bielorrússia
Brasão de Armas da Bielorrússia
Bandeira Brasão
Lema: sфmos ґussфs!
Hino nacional: Guerra Fria! Guerra Fria! Isso ferrou com a gente!

Localização de Belarússia

Capital Minsk (saúde)
Cidade mais populosa Minsk
Língua Bielorrusso
Religião oficial Catolicismo
Governo Desligamento
 - Pяєsideиtє Alexander Lukashenko
Heróis Nacionais Alyaksandar Hleb, Karl Marx
Área  
 - Total Igual a Polônia km² 
 - Água (%) 0
Analfabetismo 0,5% 
População Alguns bêbados que escrevm com я e amam a Rússia 
PIB per Capita 1. 657 
IDH 999 
Moeda Euяяю
Fuso horário (+)9ГѮ
Clima Frio pra caramba
Website governamental Governo Bielorusso se seu PC for hackeado não temos nada a ver


Bielorrússia é o único país do mundo que ainda não percebeu colapso da União Soviética e uma miniatura da Rússia que existe à oeste da própria Rússia. O nome alternativo "Belarus" nem foi ideia dos bielorrusos que são dependentes demais pra ter qualquer identidade nacional. Quem inventou o nome "Belarus" foram os russos em 1991 como forma de se distanciarem de seus primos, mas qualquer idiota percebe que a Bielorrússia não passa de um mero óblast desgarrado da Rússia. De toda forma, a existência da Bielorrússia sempre teve um significado psicológico especial para a Rússia (que já humilham a Ucrânia chamando-os de "Rússia Pequena") mas que ao olhar para a Bielorrússia os russos sempre ficam satisfeitos em ver que existe um país que está indo ainda pior do que eles.

Ao longo da história, o moderno território da Bielorrússia pertenceu só a país foleiro, já foi da Ucrânia, da Lituânia, da Polônia, e da Rússia. Destruída guerra após guerra e reconstruída do zero vez após vez.

HistóriaEditar

Antigos eslavosEditar

A Bielorrússia tem a reputação de ser o canto mais atrasado, primitivo e menos charmoso da Europa. O que é um grande equívoco porque claramente a Bielorrússia perde para a Moldávia neste aspecto. Mas o motivo do país ser assim tão esquecido está na sua origem por ser só um grande pântano alagado, frio e sem graça onde apenas eslavos tiveram coragem de colonizar, e mesmo assim os eslavos mais bêbados foram para oeste fundar a Rússia e os eslavos mais raivosos foram pra leste fundar a Sérvia, sobrando na Bielorrússia apenas muitas prostitutas, que aliás, até hoje são as melhores da Europa competindo até com as tchecas, pois a mulher bielorrussa é famosa por compensar sua ausência de seios, bunda e nutrição em geral com um comportamento altamente fetichista.

Sobre a fundação da Bielorrússia, tudo começou timidamente quando Átila, o Huno penetrou na região e fez 20 filhos nas meretrizes de lá e por muito tempo ali só haviam tribos que seguiam a corrente política do anarquismo, cada um fazia o que quiser. Muito embora aquele tanto de filho do Átila colaboraria mais tarde para a destruição do Império Huno por brigas dinásticas após sua morte.

Bielorrússia ucranianaEditar

Ao longo da história percebe-se que os bielorrussos são seres carentes que necessitam ser dominados, mais ou menos como um putinha no cio amante de BDSM, então o primeiro povo para quem os bielorrussos se venderam foram os ucranianos que criaram o Principado de Kiev (nada de "Principado de Kiev e Misnk", um padrão que vai se repetir nas conquistas futuras, afinal todos ignoram a Bielorrússia). Como vassalos dos ucranianos os bielorrussos aprenderam o que sabem fazer de melhor, que é apanhar, ter suas cidades pilhadas, e se foderem em geral, porque sempre que alguém queria invadir Kiev precisava começar pela Bielorrússia.

Bielorrússia lituanaEditar

Quando os ucranianos perderam seu poder e relevância, ao invés da Bielorrússia virar um país próprio agora que estavam livres eles fizeram o oposto e se voltaram para norte procurando novos suseranos para quem servir e foi então que se anexaram ao Grão-Ducado da Lituânia (que jamais em momento algum se chamaria "Grão-Ducado da Lituânia e da Bielorrússia"). Embora os bielorrussos ficassem chateados em serem assim mais ignorados que um amistoso de um time do Acre contra um time do Amapá realizado no estado do Espírito Santo, eles aceitaram a submissão por 300 anos (1263 a 1569) pois nesse ano de 1569 a Lituânia se casaria com a Polônia e criaria a República das Duas Nações, sendo as duas nações a Lituânia e a Polônia, ou seja, eles nem consideravam a Bielorrússia uma nação, o que é plenamente compreensível pois a região ainda era só um antro de prostitutas fetichistas e bêbados.

Depois de séculos sem nada ter acontecido, Napoleão Bonaparte com seus homens invade a Bielorrússia, coisa que muitos outros povos já fizeram, mas ninguém realmente invadem a Bielorrússia, eles sempre querem mesmo é invadir Moscou, apenas tem que passar por essa chateação antes. Os franceses, aliás, nem ligaram para a mulherada bielorrussa e ignoraram completamente a região.

Bielorrússia russa e soviéticaEditar

 
Esta é a verdadeira Belarrussa!

O mais recente casamento da Bielorrússia foi o mais marcante de todos, quando o Império Russo anexou a região, afinal eles se chamavam Bielor"rússia", que mal haveria em anexar alguém que viola os direitos autorais usando seu nome? Ninguém da comunidade internacional reclamou na época. Na real os czares russos nunca nem souberam do que se tratava essa tal Bielorrússia, eles eram apenas obcecados em criar um país gigantão no mapa mesmo que isso significasse anexar pedaços de pântanos inférteis como foi o caso da Bielorrússia.

Ainda sob o jugo da Rússia, no século XX a Bielorrússia virou a República Socialista Soviética Bielorrussa e fez parte do plano subversivo de dominação mundial da União Soviética e foi entupida de fábricas de algodão, papoula e carvão. Como fazia fronteira com os rivais do oeste foi o local martelado e destruído durante toda a Segunda Guerra Mundial e Stalin aprovou a existência da Bielorrússia pois era o lugar perfeito para ser destruído sem se preocupar.

IndependênciaEditar

Tudo ia bem na Bielorrússia, todos estavam miseráveis e esquecidos, mas em 1991 Gorbachev acidentalmente dissolveu a União Soviética. Coube ao carismático e irretocável líder bielorrusso Alexander Lukashenko ser nomeado presidente do nome país democrático que surgia naquele vácuo. É verdade que o novo presidente nem queria que a Bielorrússia se tornasse independente e até hoje luta para tornar a Bielorrússia um óblast Rússia, algo que até a Criméia já conseguiu. Mas após se tornar presidente, no entanto, Lukashenko achou que era hora de seu país ter um ditador que pela primeira vez fosse 100% focado apenas na Bielorrúsisia, por isso manteve não apenas a bandeira e o brasão da era soviética, como também introduziu o russo como língua oficial.

Eventos recentesEditar

José Dirceu, após a fundação da Vojvodina visitou a Bielorrússia a negócios, mas como as mulheres lá só se interessam em sexo selvagem, foi embora, já que ninguém se interessou em seu projeto de anistia na Câmara. Nicolás Maduro por sua vez planejava construir um gasoduto ligando a Venezuela à Bielorrússia, passando pelo Pré-Sal, mas o camarada Evo Morales disse que prefere fazer tubos nas índias, não nas russas, o que melou toda situação.

A Bielorrússia normalmente e tradicionalmente é um país bem esquecido, mas em 2020 surgiu nos noticiários por ter sido o país que descobriu a cura para o coronavírus, doença que assolava a humanidade aquele ano. Lukashenko, que é formado em medicina pela Universidade Federal de Minsk, receitou vodka e sauna para seus pacientes e 100% deles foram curados (os que não foram curados e não sobreviveram foram mortos e mandados para gulags). Uma badernista oportunista chamada Maria Kolesnikova foi completamente contra a cura do coronavírus e organizou protestos em todo país, mas ela obviamente foi capturada e presa.

GeografiaEditar

A Bielorrússia é o maior país europeu que não possui praias, e ainda assim é um dos mais molhados porque o território da Bielorrússia consiste em pântanos onde, ocasionalmente, pode-se reconhecer algum lago ou rio. Os lagos não podem ser distinguidos bem o suficiente dos pântanos, portanto seria perda de tempo tentar falar onde estão os lagos bielorrussos. Já os rios bielorrussos são como os pântanos, mas com uma forma mais ou menos alongada e que as vezes inundam as cidades. O riacho mais longo do país tem o rio Dnipro que por onde passa deixa tudo alagado.

O destaque da geografia bielorrussa é a sua fronteira com a Polônia onde está localizada a Floresta Białowieża, um belo bosque onde os bielorrussos cuidam das árvores e os poloneses vem e extraem a madeira para fazer móveis.

PolíticaEditar

 
Uma praça bielorrussa típica que mantém aceso o espírito das antigas tradições soviéticas.

Alexander Lukashenko é o presidente eleito democraticamente em 1994 para um mandato de 40 anos. Além do presidente eleito para esse mandato único sem direito à reeleição, as instituições democráticas da Bielorrússia ainda tem Alexander Lukashenko como Primeiro-Ministro, Alexander Lukashenko como presidente do Parlamento, Alexander Lukashenko como Ministro das Relações Exteriores, Alexander Lukashenko como Ministro do Interior e Alexander Lukashenko como presidente do Supremo Tribunal. Com todos os outros candidatos presidenciais foram presos porque na Bielorrússia formar oposição é crime previsto em lei, Lukashenko pode continuar governando em paz o seu país, por isso a escolha do novo presidente sempre é entre o Grande Alexander Lukashenko e o Camarada Alexander Lukashenko.

Teoricamente há partidos de oposição, mas quando Lukashenko foi reeleito em 2011 com 102,4% dos votos, até a população rural de analfabetos questionou a pseudo-constituição democrática bielorrusa. Mas como Lukashenko segura com mão de ferro todas as antigas tradições soviéticas, como liquidar oponentes políticos, saquear a economia, beber vodka, falar asneiras, se lotar de medalhas e criar um clima nacional de desolação, ele se mantém na presidência.

SubdivisõesEditar

Como a própria Bielorrússia é um óblast russo (uma subdivisão da Rússia) o "país" precisa se subdividir em algo diferente, então criaram essa palavra, o "voblast", existindo 6 desses no país. Os voblasts não possuem importância administrativa porque o governador de cada um deles é Alexander Lukashenko, então eles servem meramente para fins geográficos.


EconomiaEditar

 
50 rublos bielorrussos retratando o poderoso esquilo soviético, o Tavaryš Vaviorka (Таварыш Вавёрка), o primo soviético do Tico e Teco.

A principal produção da Bielorrússia são atrizes pornô e sites de pirataria cheios de spyware e seu principal parceiro comercial é o Turcomenistão de onde a Bielorrússia importa televisores preto e branco. Uma vez que Lukashenko prende todo empresário de sucesso e rouba seu dinheiro para converter em compra de feijão enlatado para distribuir para a população, a economia na Bielorrússia está bastante ruim. Os produtos mais famosos da orgulhosa indústria bielorrussa há muito desapareceram: tanques, mísseis, aviões de combate e acessórios militares não são mais fabricados devido à abolição do Exército Vermelho e toda aquela indústria velha precisou se reinventar para a produção de bens mais procurados na Bielorrússia moderna, como algemas para jogos sexuais, correntes para amarrar mulheres, gaiolas para aprisionar maridos, cintos de castidade e pequenas armas eróticas para o uso cotidiano.

O setor primário tem relevância e concentra-se principalmente nas formas de agricultura similares à vista no início da Idade Média, apenas com a diferença de que, em vez da beterraba, a batata se tornou o principal produto plantado.

Um problema econômico, entretanto, é o rublo bielorrusso, que em 2015 estava a uma taxa de câmbio de 1 para 23.000 com o euro o que tornava o país um pária na Europa. Mas Lukashenko teve um lampejo de inspiração! Ele apenas apagou os zeros de suas notas, congelou os preços e tudo ficou bem novamente.

TurismoEditar

A Bielorrússia é frequentemente visitada como um museu a céu aberto do resultado de como um país fica quando implantam nele o socialismo real, nem a Rússia e nem Cuba servem para esse tipo de turismo. Se um estrangeiro quer aproveitar um clima de desesperança e melancolia, supermercados meio vazios, monumentos russos e soviéticos enaltecendo assassinos, a Bielorrússia certamente é o destino de férias certo para essa pessoa.

A capital Minsk acaba sendo o principal destino, a capital do país é uma joia da arquitetura stalinista com ruas incrivelmente largas para facilitar o tráfego de tanques, monumentos perturbadores e edifícios feios e cinzentos espalhados por todo o centro da cidade, tudo cercado por modernos subúrbios onde vivem as pessoas jovens. Se você gosta de loiras com saias curtíssimas ou calças brancas semitransparentes e com a quantidade de maquiagem excessiva, Minsk é o lugar certo no verão.

InfraestruturaEditar

SegurançaEditar

A Bielorrússia é considerado um dos países mais seguros da Europa. Uma vez que todas as pessoas "más" neste país já estão na prisão, a polícia raramente sai às ruas e todos bielorrussos podem seguir suas vidas tranquilamente sem nunca criticar o governo, apenas sendo felizes longe de participação em protestos contra o governo. Se todos permanecerem calados e sentados em suas casas, de acordo com o inspetor-chefe Gogchew, a Bielorrússia seria o país com o menor número de casos criminais e prisões do mundo..

CulturaEditar

 
Um bielorrusso típico brincando com seu animal de estimação bem comum na região.

A Bielorrússia é só uma cópia que ninguém lembra da Rússia e eles tem dificuldade em ter alguma identidade, mas até que se esforçam em parecer ao máximo com os russos. A característica mais marcante da cultura local é essa estranha vontade em ir apanhar em manifestações contra o governo e eventualmente até ser preso.

Mas para reconhecer um bielorrusso e diferenciá-lo de um russo você precisa encontrar alguém que consiga comer quatro vezes mais batatas do que qualquer outro cidadão do Leste Europeu (a única nação que pode vencê-los nessa competição são os irlandeses, mas essa teoria nunca foi colocada a prova). O bielorrusso ainda pode ser reconhecido por ficar excessivamente animado quando a Bielorrússia é mencionada em jornais, por gostar tanto de black metal como de balalaika e pela capacidade de dormir até 16 horas por dia.

Ao contrário de outras nações, o bielorrusso não consegue reconhecer um outro integrante de sua própria espécie. O reconhecimento mútuo só acontecerá se eles iniciarem uma conversa sobre batatas ou sobre o Eurovisão de 2012.

EsportesEditar

Na Bielorrúsia o esporte mais praticado é o xadrez, sendo uma unanimidade nacional. Os enxadristas são submetidos a vários tipos de treinos para aprimorar as suas técnicas de frieza e concentração que o xadrez exige:

  • Treinar sem roupa nas geleiras bielorrussas com temperaturas -65º negativos;
  • Encarar seu adversário com um Tigre Siberiano faminto na sua orelha;
  • Beber 15 litros de vodca e não perder a concentração e movimentos;
  • Olhar nos olhos do adversário com o "EYE THE SIBERIAN TIGER".

Seus principais e inesquecíveis jogadores e treinadores são eles:

  • Apollo Creed - 7 vezes campeão mundial todas por nocaute, criador de "EYE THE SIBERIAN TIGER".
  • Zangief - 4 vezes campeão mundial, inclusive uma antológica vitória sobre o russo Dmtr Vjvjavjdtkvedev com xeque-mate utilizando um peão do banco imobiliário. Hoje treina garotos na Bielorrússia;
  • Shao Kahn - 21 vezes campeão mundial, aposentou-se do esporte após uma partida com Liu Kang no Mundial da Malásia de 1921.
  Bielorrússia
HistóriaGeografiaDemografiaPolíticaSubdivisões
EconomiaMoedaTurismoCulturaBandeiraBrasãoHino
Europa
v d e h

Países: Albânia | Alemanha | Andorra | Armênia | Áustria | Azerbaijão | Bélgica | Bielorrússia | Bósnia e Herzegovina | Bulgária | Cazaquistão | Chipre | Croácia | Dinamarca | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estônia | Finlândia | França | Geórgia | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Itália | Letônia | Liechtenstein | Lituânia | Luxemburgo | Macedônia do Norte | Malta | Moldávia | Mônaco | Montenegro | Noruega | Países Baixos | Polônia | Portugal | Reino Unido (Escócia - Inglaterra - Irlanda do Norte - País de Gales) | Romênia | Rússia | San Marino | Sérvia | Suécia | Suíça | Tchéquia | Turquia | Ucrânia | Vaticano

Territórios: Abecásia | Açores | Akrotiri e Dhekelia | Åland | Chipre do Norte | Crimeia | Gibraltar | Ilhas Canárias | Ilhas do Canal | Ilhas Faroé | Ilha da Madeira | Ilha de Man | Jan Mayen | Kosovo | Ossétia do Sul | País Basco | República de Artsaque | Svalbard | Transnístria