Adriana Esteves

Adriana Esteves extremamente de cu doce com esse artigo.

Carminha Adriana Esteves é uma atriz brasileira que é famosa por fazer personagens escandalosos e também por ser uma das maiores vítimas de trocadalhos do carilho, já que a Adriana sempre Esteves em diversos lugares nos quais nós jamais estaríamos provavelmente. Afinal, você não esteve na calçada da fama, mas a Adriana Esteves.

CarreiraEditar

Filhota do Méier, nascida em 15 de dezembro de 1969, começou tentando ser bailarina e posteriormente modelo e publicitária. Em 1988 ela conseguiu ser apresentadora de uns programinhas da Band, o que acabou atraindo sei lá como a atenção do Boninho, que por um acaso tava lá assistindo a concorrência.

Daí ela foi pra Globo, de onde só saiu uma vez, meio que por burrice, pro SBT, mas jajá nós fala disso. Ela começou no quadro "Controle Remoto" no Domingão do Faustão, mas ainda em 1988 conseguiu papel de modelo na novela Top Model.

E daí mais um monte de novelas, boa parte muito boas, e obviamente por muito boas é justamente as que ela fez na Globo, afinal a ideia mais errada da carreira dela foi topar ir para o SBT com uma pá de atores, inclusive seu marido na época, o Marco Ricca, e aí veio Razão de Viver, que era uma reprise ruim de uma novela também ruim, e que deu tão errado que Maria Mercedes, que tava passando pela... sei lá, trigésima vez? Bem, pos essa porra tava dando mais audiência que a novelinha da Adriana Esteves no SBT.

Suas novelas de maior destaque foram A Indomada, Torre de Babel, Kubanakan (onde ela conheceu seu atual maridão, Vladimir Bicha e aquele programa de "humor" Toma Lá, Dá Cá (também chamado de Sai de Baixo mal diagramado).

Mas sem dúvidas o maior sucesso da carreira dela foi Avenida Brasil, aquela do "oioioi oioioi", tanto que depois dessa, todas as demais novelas dela todo mundo chama as personagens dela de "Carminha". E nem me espanta muito, haja vista que ela mesma praticamente virou a própria Carminha o resto da vida, castigada a virar a própria personagem, e que o Vladimir se cuide pra não virar o novo Tufão...

Novelinhas e seriadosEditar

  • Vale Tudo (1988) - Maria Lúcia, uma ninguém aleatória em um único episódio;
  • Top Model (1989) - Cristina Antunes Kundera (Tininha), uma das muitas modelos da novela, ou seja, ninguém liga, todo mundo queria ver só a Malu Mader;
  • Meu Bem, Meu Mal (1990) - Patrícia Melo, outra randômica, todo mundo só queria ver a Sílvia Pfizer Pfeifer;
  • Delegacia de Mulheres (1990) - Manú, só mais uma das vítimas que iam pra delegacia desse seriado, só que essa foi porque tava a fim de dar um num bonequinho em sua barriga e ninguém deixava;
  • Caso Especial (1991) - Marina, só outra... caralho, ela já fazia personagem tosco nesse tempo, não me espanta geral zoar com a carreira de atriz dela na época;
  • Pedra sobre Pedra (1992) - Marina Farias Batista, que pelo visto, tal como o Claude Speed em GTA, foi mais um caso de "vamo reaproveitar na cara dura o nome de uma outra personagem";
  • Você Decide (1992 e 1994) - Nem conto os personagens dissaí porque tinha ator que aparecia umas trinta vezes nesse programa;
  • Especial Leandro & Leonardo (1992) - Programa tosco só pra babar o ovo da dupla Leandro & Leonardo;
  • Renascer (1993) - Mariana Paiva Ferreira, primeira protagonista (ou quase) da atriz, que finalmente apareceu nas capas de trilha sonora da Som Livre;
  • Confissões de Adolescente (1994) - Série da TV Cultura né? Ah, já sei que ela fez uma ninguém por um só episódio mesmo...
  • A Comédia da Vida Privada (1995) - Porra, chega né de personagem de quinta!
  • Decadência (1995) - Carla Tavares Branco, uma das amantes do Edir Macedo Mariel Batista;
  • Razão de Viver (1996) - Zilda, uma protagonista que ninguém viu a novela;
  • A Indomada (1997) - Lúcia Helena de Mendonça e Albuquerque e sua filha Eulália de Mendonça e Albuquerque, sim, ela fez aquele velho clichê de ser mãe e filha também (a filha na juventude era a Leandra Leal, que depois viraria irmã dela... WTF?);
  • Torre de Babel (1998) - Sandra da Silva Toledo (Sandrinha), a filha do carinha que queria explodir o Shopping Osasco, digo, digo, o Shopping Palace lá do Cesar Toledo, e no fim quem explodiu aquela porra foi ela... ops, dei spoilers...
  • O Cravo e a Rosa (2000) - Catarina Batista, feminazi porra louca, uma cópia de de outra cópia de mais outra cópia de A Megera Domada do Shakespeare, mas que fez (e faz ainda) tanto sucesso que todo mundo já assistiu essa porra uma caralhada de vezes, independente de onde passe;
  • Coração de Estudante (2002) - Amelinha, uma personagem que eu não lembro mais quem ela era;
  • Kubanakan (2003) - Lola Caldéron Puentes, a mina que botava galha num cabrone lá com o Pescador Parrudo;
  • Senhora do Destino (2004) - A Nazaré Tedesco versão novinha;
  • A História de Rosa (2005) - Rosa, mas eu não vi essa porra;
  • A Lua me Disse (2005) - Heloísa Queiroz Bolgari Prado, uma personagem que não me recordo;
  • Sitcom.br (2005) - Ela trabalhou nesse ano hein!
  • Toma Lá, Dá Cá (2005-2009) - Celinha, a mulher que pegou o resto da Marisa Orth (que em compensação pegou o seu próprio resto);
  • Dalva e Herivelto: uma Canção de Amor (2006) - Como a cantora Dalva de Oliveira, mesmo sem saber cantar porra nenhuma;
  • As Cariocas (2006) - Sei lá;
  • Morde & Assopra (2011) - Júlia Freire Aquino de Medeiros, uma caçadora de dinossauros, que viagem a dessa galera...
  • Avenida Brasil (2012) - Ela mesma, ops, Carmem Lúcia Moreira de Souza (Carminha), o único personagem dela que realmente todo mundo lembra até hoje;
  • Felizes para Sempre? (2015) - Tânia Drummond, eu não sei nem que que foi isso;
  • Babilônia (2015) - Inês Ferraz Junqueira, a Carminha de cabelo curto;
  • Justiça (2016) - Fátima Libéria do Nascimento, uma mulher querendo justiça, o de sempre;
  • Segundo Sol (2018) - Laura Bottini Maranhão, a Laureta, também conhecida como Carminha baiana;
  • Assédio (2018) - Stela Nascimento, uma mina que se fodeu muito (literalmente);
  • Amor de Mãe (2020) - Thelma Nunes Viana, uma das três mães perturbadas da novelinha.