A ridícula arte de ir vestido com roupa roxa, laranja, rosa ou qualquer outra cor berrante em eventos e festas sociais

Rossi.jpg Este artigo trata de coisas muito bregas, bicho!

Se você acha que a moda é coisa só pra gente chique, esqueça isso aqui e tome seu rumo, mas se você é um mal-amado fã de Lindomar Castilho, pegue a cadeira porque o bingo já começou.

Falcao.jpg

A ridícula arte de ir vestido com roupa roxa, laranja, rosa ou qualquer outra cor berrante em eventos e festas sociais é uma expressão artística datada desde tempos imemoriáveis. Tem se registros desta nobre arte desde o neolítico, onde alguns homens da caverna resolveram usar pele de onça remendada com pele de tigre,criando-se nesse exato momento o primeiro descendente conhecido da família de Falcão.

Registros romanos extremamente confiáveis mostram que Nero era portador desse fenômeno.

HistóriaEditar

Registros greco-filipinos mostram gravuras de togas de cor rosa-choque mescladas com verde-limão,especula-se até que uma dessas togas teriam sido usadas para cegar Julio César durante sua pouco saudável e última visita ao senado. Após a expansão do Império Romano, esta arte incompreendida com razão, foi ainda mais divagada através de Alexandre, o Grande, que além de conquistador e ventríloco, também era estilista de moda oficial, e durante suas invasões a novas terras, adquiria o estilo de roupa do lugar e adicionava a uma única roupa só, formando assim uma marca de grife que o próprio Xandão fundou, conhecida como Breggolium.Infelizmente (ou não), Alexandre foi morto devido a causar cegueira crônica em seu exército ao usar roupas tão ridículas e incombináveis.

Durante a Idade Média podemos encontrar na região Turco-Otomana(seja lá onde for), vestígios intensos da prática desta arte por padres e bispos. Após por acaso do destino e por capricho do autor do artigo suas roupas ficarem berrantes e bizarras os padres perceberam que podiam alienar os fiéis ainda mais torrando o cérebro deles com roupas bregas de cores intensas, de fato, a expressão brega surgiu nesse mesmo lugar, devido a um padre de nome Breggólius, Aquele cara lá da igreja que se veste mal pá cacete e dá uma puta dor de cabeça chegar perto desse mano com ele usando essas fita muita loca na roupa, ou Breggólius, Aquele cara lá da igreja que se veste mal pá cacete e dá uma puta dor de cabeça chegar perto desse mano com ele usando essas fita muito loca na roupa, e do que adianta ser íntimo dele se pra chamar o truta tem que falar a mesma coisa que uma pessoa não-íntima falaria para os íntimos. Infelizmente todos os registros conhecidos de Breggolius foram perdidos, tornando sua menção neste artigo totalmente desnecessária.

Com a Contra Reforma, o uso dessas vestimentas foi terminantemente proibida pelos padres, item que a Igreja Católica também usou em seu código de conduta, tornando aí a reprovação dessa arte o único ponto em que as duas igrejas concordaram. As possíveis pessoas perturbadas que prontamente e petulantemente ousavam em ainda praticar essa abominável arte, eram submetidas a Inquisição Espanhola(que se aparecia onde ninguém menos esperava), e durante o julgamento do praticante, a pena máxima e mais dolorosa possível era aplicada na pessoa, com o carrasco obviamente usando uma venda.

Na época da Segunda Guerra Mundial este estilo de arte foi usado frequentemente como arma biológica, tendo registros de sua eficiência comprovados cientificamente. O que poucos, com razão, não sabem é que o Projeto Manhattan originalmente foi um projeto que reunia os estilistas de moda mais cegos do mundo para fabricarem juntos uma única peça de roupa tão brega e tão ridícula que dizimaria instantaneamente todo um pelotão.Felizmente, todos os estilistas foram mortos durante o processo de fabricação da vestimenta, devido a intensidade breguiana da roupa e a área original dos testes teve de ser abandonada em um raio de 1289 kilometros, em 1975 uma união entre governos isolou totalmente a área em plástico bolha.

 
Mestres nesse assunto.

Análise Científico-Sociávelmente Analítica desta Famigerada e Erroneamente chamada de Arte ArteEditar

Com o advento da tecnologia antibrega, cientistas suícidas examinaram minuciosamente as peças de roupa que compõe essa mortalmente mortal arte. E eles perceberam que os tecidos são feitos de um material único chamado Caffonorênio, que ao se expor com os tecidos da roupa causa um grande efeito de irritação e distorce a fashionidade do tecido. Esse elemento ao se exposto a humanos causa grande sensação de desiquilibrio de senso, fazendo com que a pessoa se vista de forma mortalmente cafona e contamine outras pessoas. Infelizmente todos os dados cientificos disponíveis foram destruídos pois a roupa antibrega se tornou brega devido a contaminação, matando todos os cientistas da área.

ObservaçãoEditar