Abrir menu principal

Desciclopédia β

Uno (música)

Este artigo é sobre um HIT!

É uma música chata, repetitiva e seu vizinho adora. SOLTE O SOM!

Music madonna.jpg

Cquote1.svg Uno, dos, tres, catorce! Cquote2.svg
U2 sugerindo uma sequência para a música Uno do Muse
Cquote1.svg O jogo tem música? Cquote2.svg
Metade das pessoas do mundo ao ser perguntado se conhece alguma música chamada Uno
Cquote1.svg Ah...a do comercial do carro? Cquote2.svg
Reação da outra metade
Cquote1.svg Eu escrevi essa música? Cquote2.svg
Matt Bellamy sobre Uno (música)
Cquote1.svg Ahhnnn...escrevi sim...nem parece, nem vendeu muito no iTunes. Cquote2.svg
Matt Bellamy, agora demonstrando toda a sua modéstia

Uno é (por incrível que pareça) uma música da banda Muse. É mais conhecida por sua capa inovadora de acrílico do tipo Mamãe, não tenho cor!! do que pela letra em si. Foi um single do álbum Showbiz, o que já dá fortes indícios que para ser do Radiohead, só falta o Thom Yorke assumir a autoria da canção.

Índice

A músicaEditar

 
Bom...quando o jogo tinha seus momentos chatos...Tratavam de alegrar de novo!!

A banda queria marcar território (não, não era mijar não, ou, bom, talvez sim, sabe, atrair a atenção de todos no dia seguinte de qualquer evento por algum integrante ter mijado no mesmo) no mundo da música logo em se primeiro álbum, após a fase de músicas toscas experimentais que nunca mais foram usadas. Sua letra extremamente amorosa e afetuosa para com qualquer pessoa denota o quanto o Muse pode ser capaz de demonstrar todo o ódio do mundo em uma só música.

Bom, o trio estava tranquilamente passando a tarde de sábado em casa, e, após mais de oito mil rodadas de Banco Imobiliário (alguém da banda já tinha virado corretor de imóveis profissional só nisso aí), decidiram inovar. A ideia era jogar um jogo que fosse movimentado, alegre e que levantasse o astral de todos! Claro, não podia ser Twist senão não is sobrar nada da banda pros shows, bem como não podia ter o que você tinha certeza que eu ia linkar aqui, até porque ninguém aguantaria ficar apenas em pé durante um show inteiro. Restou...UNO! Nisso chega o irmão de Matt para jogar também.

Eis que nisso decidiram logo jogar o tal treco que custa 50 reais e é feito de papelão (só é caro assim porque é importado, senão...bom, a loja de departamentos faria de tudo pra por do memso preço, enfim...). Nas primeiras rodadas, eles até curtiram o momento, mas, no instante em que Dominic Howard exclama altas zoações, inclusive chamando Matt Bellamy de porco-espinho, a coisa começou a esquentar. O irmão de Matt lembrou do simpático apelido e a bosta fedeu.

Eles estavam num hotel, que por coincidência o quarto em que estavam é o número 24 1. O irmão de Matt[1] se lembra de tal apelido e começa a sacanear tanto, mas tanto, mas taaaaanto o Matt, que ele se irrita e começa a vociferar: This means nothing to me/ Cos you are nothing to me/ And it means nothing to me/ That you blew this away. Bom, porque pra ele porco-espinho não significava nada (só pra ele, sacanear aquele cabelo é uma arte), o irmão dele não era nada pra ele, e o jogo também não significava mais porra nenhuma, o irmão dele estragou tudo com esse comportamento cool idiota.

E aí?Editar

 
Olha aí a porta 111 e o Matt xingando falando com seu irmão

Matt expulsa com os poderes mentais seu irmão dali, e, logo o trio se une e começa a cantar com ódio. O irmão de Matt, que mais parece o Macaulay Culkin se vê num corredor cheio de portas, e, ele tentava descobrir de onde vinha o barulho para poder admitir ao irmão que estava com as calças mijadas e pedir penico pedir desculpas ao mesmo. Ele acaba indo parar no corredor dos quartos 400 e lá vai pancada.

Já ficando desesperado, ele larga um amuleto da sorte dele no chão e se desespera, abrindo tudo o que via pela frente que se parecia com uma porta. Eis que o Muse do nada surge no quarto 111, e, o irmão de Matt escuta o barulho vindo de lá. Eles, ao invés de abrir a porta igual pessoas normais (ou ao menos como anormais se fazendo de normais) decidem conversar amigavelmente com a porta separando os dois (bom, talvez fosse uma medida preventiva para não se matarem a guitarradas - e aquela guitarra do Matt tem duas pontas que podem ser perfeitamente usadas como espeto de churrasquinho de gato). Os singelos e amigáveis versos foram cantados por Matt para seu irmão:

You're still nothing to me/ And this is nothing to me/ And you don't know what you've done/ But I'll give you a clue. Bom, a dica era ele se matar, talvez na outra reencarnação ele fosse tão cool quanto Matt fazer algo que preste para se desculpar com Matt, vide, virar o paga-lanche do irmão. Mas como, por uma questão de honra o irmão de Matt não quis seguir isso, logo a dica foi levemente alterada para aqueles versos amigabilíssimos e fraternalíssimos.

You could have been number one/ If you'd only had the chance/ And you could have ruled the whole world/ If you'd had the time/ You could have been number one/ And you could have ruled the whole world/ And we could have had so much fun/ But you blew it away Bom, o irmão de Matt podia ter sido o cara para ele, se ele tivesse tempo (bom, aquela era a primeira vez que estavam brincando e algo juntos em mais de oito mil anos; ele podia ter dominado o mundo se tivesse tempo (ele largou o jogo de Banco Imobiliário na metade antes de jogar o Uno), e eles podiam ter se divertido muito, mas ele acabou com isso. Bom, depois disso o irmão de Matt é conhecido apenas como...o irmão de Matt.

LetrasEditar

 
A melhor parte da música: A capa cool.

Uno

This means nothing to me
Cos you are nothing to me
And it means nothing to me
That you blew this away

Cos you could have been number one
If you only found the time
And you could have ruled the whole world
If you'd had the chance

You could have been number one
And you could have ruled the whole world
And we could have had so much fun
But you blew it away

You're still nothing to me
And this is nothing to me
And you don't know what you've done
But I'll give you a clue

You could have been number one
If you'd only had the chance
And you could have ruled the whole world
If you'd had the time

You could have been number one
And you could have ruled the whole world
And we could have had so much fun
But you blew it away

You could have been number one
And you could have ruled the whole world
And we could have had so much fun
But you blew it away

PortuguêsEditar

 
Típica risada de fã do Muse ao ler este artigo. Mas o Chris Wolstenholme certamente não riu.

Um

Nada disso significa nada pra mim
Porque você não é nada pra mim
E não significa nada pra mim
Você acabou com tudo

Porque você podia ter sido o número um
Se achasse tempo pra isso
E você podia ter dominado o mundo
Se tivesse tempo

Você podia ter sido a número um
E você podia ter dominado o mundo
E poderíamos ter nos divertido tanto
Mas você acabou com tudo

Você ainda é nada pra mim
E tudo isso não é nada pra mim
Você nem sabe o que você fez
Mas eu te dou uma dica

Porque você podia ter sido a número um
Se achasse tempo pra isso
E você podia ter dominado o mundo
Se tivesse tempo

Você podia ter sido a número um
E você podia ter dominado o mundo
E poderíamos ter nos divertido tanto
Mas você acabou com tudo

Você podia ter sido a número um
E você podia ter dominado o mundo
E poderíamos ter nos divertido tanto
Mas você acabou com tudo

VídeosEditar

Referências

  1. Fontes seguras afirmam que ele veio mesmo de Cydonia e não tem irmãos, foi originado ao mesmo tempo que os demais integrantes da banda, que se separaram quando caíram na Inglaterra e só se reencontraram de novo na esocla. Ou seja, o exame de DNA do Ratinho falhou nessa, o pai de Matt NÃO era o pai daquele moleque. Mas...o Matt também não tinha um pai...Hummm...vamos refletir. Não? Tá Ok, escolha seu final aí então que eu sigo com esse artigo aqui.