Abrir menu principal

Desciclopédia β

Mulher islandesa

Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.
Viking.JPG Ek est årtikkel Vikingen!

Este artigo veio das frias terras dinamarquesas! Ele gosta de remar, louva Odin e o Deus Metal, não tem nenhum senso de privacidade ou de educação e seu autor chegou ao Valhalla. Não vandalize ou envolva a Finlândia neste artigo!

Coat of arms of Iceland.svg.png En barbaric grein!

Este artigo é islandês e só existe graças aos seus vulcões.
Erik, o Vermelho está vagando por aqui, portanto, tome cuidado. Agasalhe-se e venha curtir um som de Björk acompanhado de um bom filé de peixe!


Islandesa com seus trajes de dia-a-dia.

Mulher islandesa é aquele exemplar de ser humano do sexo feminino oriundo da Islândia, país conhecido pelas fontes termais, por ter das gastronomias mais bizarras do mundo (o prato nacional é cabeça de ovelha cozida), e sua única celebridade conhecida internacionalmente ser a Björk.

Índice

AparênciaEditar

 
Espécimen típico da Islândia.

Essa mulherada vive num país em que 90% do território não é habitável porque é só gelo, onde existem terramotos diariamente e onde os vulcões entram em erupção de 4 em 4 anos, cheira a ovo podre por causa do enxofre: ninguém queria viver naquilo até os viking terem colonizado aquela porra. Ainda assim, aquela amostra de país é uma mina de gostosas, porque, reza a lenda, os vikings usavam a Islândia como um depósito para as mulheres bonitas que raptavam pela Europa fora. Escolheram botá-las num sítio tão remoto e impossível de habitar, para que os outros povos não as levassem de volta.

Mas naquele pedaço de gelo no Norte da Europa, existe mulherada e não é parecida com a Björk, mas possivelmente são todas primas, já que ninguém quer emigrar para lá (a única coisa boa naquela porra é não haver mosquitos). Geralmente loiras e com olhos claros (azul, verde, cinza) e amendoados, elas são um aperfeiçoamento das norueguesas. É raro encontrar islandesa gorda, pois essa mulherada gosta de praticar esportes no gelo e andebol, além de que a gastronomia nacional é um nojo (composta por pratos de tubarão, cavalo, coração cru, testículos de carneiro entre outras bizarrias) e não existem restaurantes McDonald's em território islandês, apesar de ser o país onde se bebe mais Coca-cola no mundo inteiro.

A nível de vestuário, essa mulherada veste-se toda de igual, de acordo com as "tendências" do momento lá na Islândia porque a oferta é pouca e quase não existem marcas de roupa internacionais, pelo que tanto homems como mulheres vestem a mesma roupa, e é tudo unissexo. O mesmo se aplica às bugigangas que este povo tem em casa. Apesar de serem todos iguais, os islandeses andam sempre em competição constante uns com os outros, para ver quem vai comprar o "produto da moda" primeiro.

ComportamentoEditar

 
Comportamento habitual nas islandesas.

As islandesas são consideradas as "miss simpatia" do mundo, pois o povo da Islândia foi eleito o mais amigável, e, juntamente com a Escandinávia, têm os sistemas educacionais mais pioneiros do mundo, porque, como são herdeiros dos vikings, querem continuar sendo os primeiros em tudo. Recentemente abriu concorrência para a Noruega como o melhor país para se viver no mundo inteiro, mas é caro pra caralho, também: não gostam do povo norueguês nem dos ingleses. A Islândia é o único país do mundo com 100% de ateus: essa mulherada pode não acreditar em Deus, mas acredita que existem elfos que vivem nas montanhas e que lhe fazem macumba se alguém perturbar suas casas. WTF.

 
Islandesas felizes por terem esse artigo na Desciclopédia.

As islandesas gostam de sair para boates e de beber cerveja e vodka, mas o álcool por lá é caro pra caralho e a sua venda é controlada pelo Estado estando proibida a sua comercialização a partir das 8 da noite, tal como na Inglaterra, por isso as festas acontecem em casa. A Islândia é considerado o país mais feminista do mundo, por isso não vá para essa terra com conversa ou piada machista, que as gurias irão jogar você para dentro de um vulcão! As conversas das islandesas giram à volta de lamúrias acerca do governo, da crise financeira e do tempo, especialmente acerca de estar muito ventoso.

Como viver naquele morro de gelo é caro, as islandesas têm mais do que um emprego e, geralmente, um deles envolve Artes, porque todo o mundo lá na Islândia é artista (músicos, pintores, escultores, escritores), isso porque nunca se passa nada naquela ilha esquecida pelo Deus Metal, por isso esse povo decidiu virar todo artista para passar o tempo. Essa mulherada é muito relaxada e casual, ao contrário das francesas e das belgas, não ligam para essas frescuras de "etiqueta". O assunto muda de figura se estiverem nas fontes termais ou no mar, onde é tradição todo o mundo fazer nudismo (nadar nu ou em topless): ficar olhando para os seios das islandesas é condenado socialmente.

Vida SexualEditar

A Islândia é muito liberada em termos de putaria sexualidade, e a nudez é uma coisa absolutamente normal por lá. As islandesas têm o estranho hábito de engravidar primeiro e só depois estabelecerem um namoro sólido com alguém. Sexo casual é uma prática comum para elas, não têm problema em tomar a iniciativa, e não há cá frescura de pedir número de celular ou esperar algo sério, se o assunto era só transar. Se você vai procurar putaria oficializada para a Islândia, tire daí a ideia: bares de strip foram proibidos em 2010, e estão pensando em proibir a pornografia porque objetifica as mulheres (lembra quando eu falei que era o país mais feminista do mundo? Pois). É um país amante de gays, onde os políticos podem assumir que pertencem ao Lado Rosa da Força sem pudores.

Para conquistar uma islandesa, tenha uma inteligência igual ao do Einstein, tenha doutorado e mostre que trabalha no duro.

Islandesas FamosasEditar

Outra Mulherada do Atlântico NorteEditar