Música de elevador

Esse artigo tem a bênção do deus Hypnos!

Isso significa que ele fala sobre algo que dá muito sono. Vandalize e você será colocado para dormir eternamente.

06-hypnos.jpg
Quatro pobres vítimas lutando bravamente contra a vontade suprema do deus Hipnos.

Cquote1.svg Você quis dizer: Sossega-leão Cquote1.svg
Google sobre Música de elevador
Cquote1.svg Você quis dizer: Boa noite, Cinderela Cquote1.svg
Google sobre Música de elevador

Música de elevador, muitas vezes atendendo pelo nome idiota chique de Muzak é uma espécie de sonífero utilizado como terapia no tratamento de pessoas claustrofóbicas durante viagens de elevador. Apesar do nome, a música de elevador tornou-se muito popular também em salas de espera de dentista e como fundo musical em atendimento telefônico de universidades e empresas de Internet.

Mecanismo de atuaçãoEditar

Segundo a ciência, quando o indivíduo é submetido a esse tipo de ruído, as ondas sonoras por ele geradas penetram nas camadas mais profundas do cérebro, e a vítima sentirá todo o seu corpo ficar dormente e imediatamente será acometida por uma forte sonolência. O segredo está no fato de que as pessoas afetadas, pelo tempo da duração da música, não terão tempo de sentir medo, pois estarão ocupadas demais lutando contra o sono, com medo de passarem do andar desejado.

HistóriaEditar

 
Os efeitos da música de elevador sobre o organismo humano são imediatos.

Tudo começou em um belo e ensolarado dia, quando o abominável João Pestana decidiu dominar o mundo, convicto de que ele merecia muito mais do que ser reduzido a uma mera historinha para assustar crianças escandinavas. Entretanto, com o rápido desenvolvimento da civilização humana, ficava cada vez mais difícil fazer o seu trabalho como antigamente.

Com a globalização e a rápida consolidação do capitalismo no mundo, as pessoas passaram a trabalhar mais em busca de algum significado para a sua existência, induzidas a acreditar piamente que estavam correndo atrás da felicidade, quando na verdade só estavam batalhando para tornar suas vidinhas já medíocres cada vez mais automáticas e miseráveis.

Isso era obviamente um problema, já que o trabalho excessivo como forma de saciar falsos anseios existenciais possibilitou que a raça humana adquirisse imunidade ao sono, muitas vezes nem se dando ao trabalho de dormir para ficar a noite inteira em algum escritório, se debruçando sobre um computador ao lado de um estoque de café vagabundo amargo e com as veias dos olhos saltadas como se estivesse sob o efeito de crack. A velha tática de invadir o quarto das pessoas e colocá-las para dormir com algum tipo de macumba mágica já havia deixado de ser eficiente há muito tempo.

Como se a auto-degradação da sociedade humana já não fosse problemática o suficiente, o pobre João Pestana ainda tinha que enfrentar outro grande obstáculo: a concorrência. Diversas outras figuras estavam engajadas em seus próprios planos para a dominação mundial, como os EUA, os gatos e os cantores de pop music.

Após estudar todas as possibilidade, João Pestana elaborou um plano infalível que lhe daria larga vantagem em relação aos demais concorrentes: atacar as pessoas quando elas estiverem mais vulneráveis. Esse momento é justamente quando as pessoas pegam o elevador. O breve instante em que a pessoa usa o elevador é momento que ela tira para refletir sobre o sentido da vida, o momento mais próximo que ela pode chegar de surtar e se entregar para ao desespero. É o momento em que o cansaço e a sensação de vazio existencial chegam ao seu ápice. É o momento em que as pessoas que vivem tendo suas vidas sugadas pelo seu chefe mala e pelo seu emprego desgastante encontram-se longe do café e da tela luminosa de um computador, as principais armas repelentes do sono.

Dessa forma, mesclando música ambiente com uma bossa nova brega e um blues instrumental vagabundo, com alguma influência de jazz sem vocal e de música noir de cabaré, João Pestana cria a sua arma máxima de destruição em massa: o Muzak. Mais tarde esse gênero viria a ser carinhosamente apelidado de música de elevador, servindo posteriormente como a principal base para o surgimento do infame movimento vaporwave.

Ver tambémEditar


Estilos Musicais

Arrocha | Axé | Axé sueco | Blues | Bossa Nova | Brega | Brostep | Bubblegum dance | Celtic punk | Country | Crossover thrash | Cumbia | Dance Music | Dark Psy | Deathcore | Deathstep | Disco | Dubstep | Emocore | Emogore | Eurobeat | Eurodance | Fado | Flashback | Forró | Forró russo | Frevo | Funk | Funk carioca | Full On | Glitch Hop | Gospel | Grindcore | Hardbass | Hardcore | Hip hop | House | Indie | Jazz | J-Rock | J-Pop | K-Pop | Kizomba | Kuduro | Lambada | Lambada escandinava | Lo-fi | Mallsoft | Mambo | Mangue Beat | Maracatu | Metal | Música celta | Música de elevador | Música clássica | Música industrial | Música pop | Música pimba | Música psicodélica | Moombahton | MPB | New age | Pagode | Pagode norueguês | Pagode japonês | Punk | Pop punk | Psy | Psytrance | Rap | R&B | Reggae | Reggae finlandês | Reggae nazista | Reggae penitenciário | Riddim Dubstep |Rock | Samba | Salsa | Satanejo | Sertanejo | Sertanejo romântico | Sertanejo universitário | Swingueira | Tango | Techno | Tecnobrega | Trance | Trap | Vaporwave