Mudanças entre as edições de "Klaus Kinski"

3 bytes adicionados ,  16h14min de 21 de agosto de 2020
m
Bot: Manutenção
m (Bot: Manutenção)
|data_nascimento = [[18 de outubro]] de [[1926]]
|local_nascimento = Sapattop, [[Polônia]]
|nacionalidade = [[ImagemArquivo:Flag of Poland.svg.png|20px]] [[ImagemArquivo:Flag of Germany.svg.png|20px]] alemã
|ocupação = Insanidade
|gênero = Cinema para [[nazista]]s
 
Nos anos seguintes, Kinski colaborou com o diretor [[Werner Herzog]], outro maníaco, em cinco filmes clássicos do cinema racista alemão moderno. A briga interminável dos dois artistas já é lendária, com ameaças constantes de morte e rasgação de [[cu]] e as constantes explosões de raiva do bipolar Kinski atrapalhando as filmagens. Em '''Aguirre (1972)''', Kinski irritou-se com os barulhos vindos de um bordel, e disparou vários tiros contra as paredes externas do estabelecimento. A ponta do [[pênis]] de um dos extras foi arrancada no incidente.
[[ImagemArquivo:Aguirre.jpg|thumb|right|Kinski fazendo uma boquinha entre uma cena e outra.]]
Em '''Fitzcarraldo (1982)''', os índios da tribo '''Papaku''' ficaram aborrecidos com o comportamento horrível de Kinski, e ofereceram-se para estuprar, matar, cozinhar e devorar o ator para Herzog. O diretor não aceitou a oferta (apenas porque precisava de Kinski para terminar o filme). Nas duas últimas semanas da produção, Kinski planejou fugir de volta para a [[Europa]]. Enquanto carregava um barco com sua malas para escapar, Herzog chegou à margem do rio '''Solimões''' carregando uma bazuca e um frasco de arsênico. Se Kinski tentasse fugir, Herzog explodiria seu barco e depois beberia o veneno. Kinski, conhecido por ser apenas um covarde histérico, voltou para sua cabana no meio do nada em silêncio, e terminou sua participação na película.
 
54 160

edições