Dread Hot

Bandeira do Estado de São Paulo.svg.jpg Salve, mano! Este artigo é paulista: não gosta de gaúcho nem de carioca e se acha um puta trabalhador, né, meu! E não tá completo, pois o vacilão foi tomar um chôps e dois pastel, meu!

Cquote1.svg Oiiii, eu sou a Dread Hot e tô te esperando aqui ao vivo no Câmera Privê! Cquote2.svg
Dread Hot sobre você que está lendo esse artigo

Vitória de Mesquita Schwarzelühr de Castro Almeida
Dread-Hot-768x960.jpg
Ela está me encarando... deve me querer!
Nascimento 19 de maio de 1993
Bandeira do Brasil Brasil
Nacionalidade Paulista
Ocupação Atriz pornô
Medidas Ideais
Altura 1,83m, caralho
Olhos Castanhos
Cabelo Castanho

Dread Hot é o nome de guerra pelo qual é melhor conhecida a puta paga Vitória Schwarzelühr (duvido o Faustão ler isso), uma das mais bem sucedidas trabalhadoras da indústria pornográfica brasileira na atualidade. Ela segue a linha alt porn assim como suas coleguinhas de profissão Barbara Costa e Mila Spook. Boa parte de seu sucesso se deve ao fato de ter aparecido como propaganda no início de mais de 8 mil vídeos em sites de putaria ao longo de toda a internet.

Além da pornografia, Dread Hot também é considerada uma influenciadora digital, sendo muito ativa nas redes sociais e volta e meia tendo suas contas banidas por desrespeitarem as políticas de uso destas plataformas, já que ela adora pagar peitinho nas fotos e vive sendo denunciada pela minoria não-punheteira que acompanha seus conteúdos só para boicotar. Tem milhões de seguidores no Instagram e inscritos no YouTube, mas nem adianta se animar porque não tem nenhum conteúdo sexualmente explícito por lá.

CarreiraEditar

Parida na cidade de Jundiaí, antes de virar a puta que é atualmente, Dread Hot foi uma dessas universitárias que matava aula para fumar maconha no campus da faculdade. Para escrachar mais ainda e não deixar dúvidas de que é maconheira, ela fez questão de cagar todo o cabelo fazendo uns dreads horríveis, que futuramente serviriam para atrair moscas de inspiração para seu pseudônimo artístico.

Formou-se no curso de publicidade e trabalhou durante um tempo em agências publicitárias, mas achava pouco o salário que recebia e optou em 2016 pelo caminho mais fácil para toda gostosa fazer grana: a putaria, é claro.

 
Na foto, duas coisas que você nunca vai ter.

Por ser uma moça religiosa e monogâmica, Dread Hot jamais escondeu sua vocação de profissional do séquiço de seus entes queridos, muito pelo contrário aliás. Ela fez questão de arrastar junto seu namorado de longa data, Alemão, para o pornô, iniciando a carreira de camwhore sendo comida ao vivo por ele em lives amadoras para sites como o ManyVids e o Câmera Privê, onde os punheteiros gastam dinheiro à toa para assistir e interagir virtualmente com o casal. Também gravou um vídeo contando para sua mãe sobre a nova profissão e postou o mesmo no YouTube, sendo um dos mais acessados e comentados do seu canal. As duas passaram meses sem se falar, até que a mãe descobriu o quanto a filha estava ganhando e resolveu perdoá-la.

O sucesso do sexo via webcam que Dread Hot e Alemão faziam logo chamou atenção dos estúdios pornográficos e ambos foram convidados para gravarem filmes profissionais. Como gosta de pagar de alternativa descolada, Dread Hot recusou os convites de grandes produtoras como a Brasileirinhas por ser contra o pornô mainstream, alegando que as mulheres são muito objetificadas neste meio, e aceitou a proposta de uma tal de XPlastic, que simplesmente comercializa vídeos amadores já prontos como se fossem produções próprias.

Dread Hot sempre acreditou ser heterossexual, até porque nunca havia trepado com ninguém que não fosse o namoradão, mas logo surgiram as propostas de atuar em filmes lésbicos, que costumam render mais tanto no financeiro quanto no punheteiro. Com o aval de Alemão, ela topou a ideia e logo tornou-se especialista em chupar bucetas, chegando inclusive a gravar um tutorial teórico (sem mostrar a parte prática, infelizmente) no YouTube ensinando os machos virgens a fazerem o mesmo. Atualmente ela se define como bissexual.

Mas nem só de putaria sobrevive o currículo de Dread Hot. Ela também marca presença regularmente em outros segmentos de mídia, como no talk show patético apresentado por Gregório Duvivier no canal por assinatura HBO, em que ambos tiveram uma intelectualíssima entrevista falando sobre política; e investe ainda na carreira de modelatriz, sendo capa da Revista Sexy em setembro de 2019 e participando de um videoclipe de muito bom gosto da MC Tati Zaqui, em que aparece dando uns amassos na funkeira.

PremiaçõesEditar

Hoje em dia, Dread Hot já pode ser considerada uma puta de luxo, pois foi vencedora de cinco troféus do Prêmio Sexy Hot entre os anos de 2018 e 2019. O primeiro deles foi na categoria de melhor revelação LGBT pelo filme 5 para 1, e os demais foram de melhor atriz hétero (ué), melhor cena homo feminina (com Alessandra Maia) e melhor cena de sexo oral, todos pelo filme Sugar Baby. Eu sei que eu disse que foram cinco e só mencionei quatro, mas a culpa não é minha se as fontes fiáveis que consultei na internet não sabem contar.

Ao lado de Alemão, ela fundou recentemente sua própria produtora pornô, com a qual pretende lançar filmes com viés feminista destinados a mulheres empoleiradas, digo, empoderadas como ela, e almeja ser premiada agora como diretora além de atriz.

Ver tambémEditar

  • Emme White, sua substituta como garota-propaganda do Câmera Privê (e que fez o serviço melhor).