Abrir menu principal

Desciclopédia β

Dendrobatidae

Sapos-venenosos
Não sei o nome desta espécie, mas só pela coloração é certeza que é um dendrobatídeo.
Não sei o nome desta espécie, mas só pela coloração é certeza que é um dendrobatídeo.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Acordados
Superclasse: Quadrúpedes
Classe: Gosmentos
Ordem: Ânus ra
Família: Sapos-venenosos

Dendrobatidae, os sapos-venenosos, são uma família de sapos, rãs e pererecas geneticamente modificados, multicoloridos e venenosos. São encontrados apenas na floresta Amazônica, um território que como já se conhece não sofreu intervenção humana que é habitado somente por índios primitivos que até hoje nunca foram contatados pela civilização por receber a todos com flechadas, flechas estas aliás que besuntam a ponta no suor nojento e pegajoso destes animais anuros de secreções mortíferas, envenenando as pontas que causam pire-paques instantâneos em quem for ferido, o que explica o nome em inglês desses sapos de poison dart frog que seria literalmente "sapo da ponta da flecha venenosa".

Índice

EvoluçãoEditar

Os dendrobatídeos surgiram após um grave acidente nuclear na América do Sul, durante a época da Cogumelada (1835-1840), a versão acriana da Cabanagem, Farroupilha, Sabinada e Balaiada, onde os habitantes do Acre em aliança com o Império Ultramarino de Tuvalu Ulterior, insatisfeitos com a condição de serem considerados inexistentes, criaram essa revolta de movimento de reintegração à Bolívia. Os rebeldes, para vencer o Império do Brasil, criaram enormes usinas nucleares abastecidas com fios de cabelo de micos-azuis. A revolução deu errado porque o Cid do Não Salvo, cuja uma das piadinhas infames mais divertidas é sobre a suposta inexistência do Acre, decidiu evitar a independência do mesmo convocando seus 1 milhão de puxa-sacos a hackearem as usinas mico-nucleares do Acre, que foram sabotadas e explodiram, encerrando a revolução separatista e contaminando todos sapos no raio de 5.000km com radiação gama, transformando-os em sapinhos ultra-venenosos e perigosos.

AnatomiaEditar

Sapo, perereca, rã, não importa o nome que os chame, importa a cor berrante que se exibem. Se uma princesa de contos de fadas beijasse um sapo desses não apenas morreria de câncer labial enquanto a língua se derretia, como o também o sapo ao invés de transformar-se num príncipe ele se transformaria no vocalista do Twisted Sister.

A principal característica dos sapos-venenosos é o seu aposematismo, e não quer dizer que eles são aposentados, mas sim que se fazem de nojentos e intragáveis, para que ninguém venha e os devorem, como fazemos com as rãs. A coloração forte serve de alerta para potenciais predadores como um aviso que diz: "está vendo esta minha cor de fezes apodrecida sobre vômito? Então, é porque meu sabor é de fezes apodrecidas sobre vômito" assim protegendo a espécie.

O tamanho dos sapos-venenosos é sempre de pequeno a minúsculo de maneira que quanto menor mais venenoso e perigoso é, especialmente aqueles que cabem na sua cavidade anal gerando uma das intoxicações mais temidas pelas famílias de bons costume, a famosa coceira no cu.

Todos tem hábitos diurnos, pois de noite ninguém conseguirá ver sua fabulosa pele que tanto levam tempo para se produzir.

Já a reprodução dos sapos-venenosos é extremamente delicada, afinal os casais devem tomar cuidado para não envenenar uns aos outros no momento do acasalamento, pois o sêmen dos machos é capaz de matar dois elefantes. Então as fêmeas ao invés de receberem os gametas masculinos em seu corpo, ela apenas defeca seus óvulos em alguma concentração de ácido sulfúrico que é muito presente na Amazônia e deixa o macho se masturbar até ejacular nessa poça fértil de onde logo surgirão os girinos de novos sapos-venenosos.

VenenoEditar

Os sapos-venenosos possuem veneno, do contrário eles não seriam chamados de "sapos-venenosos" mas sim apenas de "sapos-coloridos". O veneno é cabuloso e cheio de neurotoxinas cujos efeitos variam de espécie para espécie. Tem sapos que excretam a substância ativa do LSD por exemplo, outros que tem a capacidade de controlar sua mente caso o toque, outros que se forem tocados podem escrever num death note as causas de sua morte, outros que te causam febre, e outros que simplesmente derretem sua pele mesmo.

GênerosEditar

  • Ameerega - sapos-venenosos-rubis
  • Colostethus
  • Epipedobates - sapos-venenosos-fantasmagóricos
  • Silverstoneia - sapos-foguetes-de-floresta-tropical
  • Adelphobates - sapos-venenosos-amazonenses, sapos-venenosos-das-costas-salpicadas e sapos-venenosos-da-castanha-do-pará
  • Andinobates - sapos-venenosos-verdes
  • Dendrobates - sapos-venenosos-verdes-e-pretos, sapos-venenosos-de-faixas-amarelas, sapos-venenosos-das-rochas, sapos-boi-azul e sapos-venenosos-de-listras-amarelas
  • Excidobates - sapos-venenos-de-santiago e maranon
  • Minyobates - sapo-venenoso-demoníaco
  • Oophaga - sapos-venenosos-granulados, rãs-venenosas, sapos-venenosos-arlequins, sapos-venenosos-morango
  • Phyllobates - sapos-venenosos-dourados
  • Ranitomeya - sapos-venenosos-do-bambu, sapos-venenosos-de-cabeça-vermelha
  • Hyloxalus - sapos-venenosos-de-costas-cremosas