Abrir menu principal

Desciclopédia β

Child in Time

Este artigo é sobre um HIT!

É uma música chata, repetitiva e seu vizinho adora. SOLTE O SOM!

Music madonna.jpg


Cquote1.svg Sweet child in time... you'll see the line... Cquote2.svg
Ian Gillan sobre começo da música
Cquote1.svg ZzZzZzZzzZzZzZzZzZzZzZzZzZzZzZzZzZzZ... Cquote2.svg
Você ouvindo o trecho acima
Cquote1.svg AAAAAAAAAaaaaa! AAAAAAAAAAAAAAAHHH!!! Cquote2.svg
O mesmo Ian Gillan 1 minuto depois
Cquote1.svg AAAAAAAAAAAAAAAAAAAA! Cquote2.svg
Você após levar um susto do caralho com essa parte

Capa de Child in Time em alguma coletânea barata lançada 30 anos depois na seção "Que fim levou?" de alguma gravadora dos Países Baixos

Child in Time (Babelfish: Criança Esperança) é um caralho de música do Fundilho Roxo desenvolvida em parceria com o governo britânico pra ser usada como arma de destruição em massa na eventualidade de uma guerra nuclear. Se a gente for pensar bem (e o cara que teve esse insight deve ser um desocupado do caralho) Child in Time é a The Great Gig in the Sky do Deep Purple: uma introdução de teclado bem sonífera, e um esboço de letra pseudoprofunda sobre desumanidade e a certeza da Dona Morte que só servem de desculpa pro vocalista passar 90% do tempo de música aos berros, gritos e gemidos.

MúsicaEditar

A música começa na maior serenidade, com o Jão Lóide tocando uma introdução bem relaxante de 6 notas no teclado infantil de 1,99 dele. Após o Jão dar mais umas dedadas o vocalista João Jiló entra cantando o seguinte poeminha bizonhésimo pra servir de canção de ninar sobre a guerra do Vietnã:

Sweet child in time
You'll see the line
The line that's drawn between
The good and bad
See the blind man shooting at the world
Bullets flying taking toll
If you've been bad, ohh Lord I bet you have
And you've been not hit by flying lead
You'd better close your eyes
ááááaAAÁÁÁÁÁÁ bow your head
and wait for the ricochet (????)

Já começando a viajar na maionese o vocalista João de tão chapado nem consegue mais emitir palavras, e por isso começa a soltar uns gemidos básicos de pornô softcore já dando aquela energia de que merda está por vir... até que ele começa a gemer mais forte... e depois de dizer a palavra mágica I wanna hear you sing dá início ao que se tornaria um dos maiores chiliques sessões de gritaria do rock que serviria de modelo pros hospícios de todo o mundo:

aaaaaaaaaah...
aaaaaaaaaah...
aaaaaaaaaaaaaaaah... ohhh...
AAAAAAAAAaaaaa!
AAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHH!!!
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHH!!! Ahh! ai uanna rir iu sing!

E isso se repete por mais alguns segundos e nesse momento todos os fãs que antes estavam dormindo desde a introdução sonífera já deram um pulo acordados e estão tendo um princípio de ataque cardíaco.

Depois vem uma transição em forma de batuque que mais parece uma música do Olodum, e em seguida o guitarrista Rico Mais Preto que já tava impaciente de esperar desde o começo entra com um PUTA SOLO que foi gravado usando uma turbina de avião como amplificador. Tirando a gritaria do Guilan esse solo é a única parte marcante mesmo da música, que termina com uma pausa abrupta feita pra deslocar o pescoço de quem estiver ouvindo e uma volta à introdução sonífera... terminando com a banda escalando cada vez até chegar no final bombástico onde os músicos quebram os instrumentos ao vivo.

E assim termina uma das músicas mais filhadaputamente tresloucadas de todos os tempos.