Abrir menu principal

Desciclopédia β

Aliens - O Resgate

(Redirecionado de Aliens 2: O Resgate)
┘¶Æ╦Ù⌂ï◙ Ð˧©Î©£ØÞѮÐÎÅ !!!

Este artigo contém altas doses alienígenas! Não estranhe se encontrar uma sonda no cu dedão do seu pé ao terminar de ler este artigo. Se vandalizar, um reptiliano enfiará uma sonda em você!

Monalien.jpg
Night creature.JPG Aliens - O Resgate surgiu das trevas!!

Vamos mergulhar o mundo nas trevas!!

Puro osso.gif


331px-Longcat.jpg Prepare-se para ler:
Esse artigo é muuuuito grande e pode causar cegueira.
Pense duas vezes e não seja tão idiota antes de ler algo assim
Aliens - O Resgate
Poster do filme - Aliens, O Resgate.jpg
O que é uma rainha alienígena perto dos punhos fechados de Ripley?
Direção Ridley Scott James Cameron
Elenco Samus Aran (Ellen Ripley); Dex-Starr (Jones); Fedelha chata aleatória (Rebecca Jorden); Rick Astley (Carter Burke); Morte (Lance Bishop); Cássia Eller (Jenette Vazquez); Pumpkinhead (Alien); Mother Brain (Rainha Alien)
Gênero Terror, Ficção científica, Metroidvania
Produtora Nintendo
Lançamento 1986

Aliens - O Resgate é a segunda maior produção nerd sobre o mais adorado Alienígena da história, depois de Michael Jackson. Após o sucesso devastador de Alien - O Oitavo Passageiro, Ridley Scott conseguiu dinheiro suficiente para fazer mais uma produção arrasadora, que como o primeiro filme da série, lotou os cinemas do mundo todo. Dessa vez não existe mais um Alien, e sim alguns Aliens, pois também é possível notar a existência da monstruosa mãe e rainha das criaturas animalescas. Infelizmente, Ridley ficou sabendo de última hora que ele não tinha renovado o contrato com a produtora, e seu nome não apareceria nos créditos. Como as inscrições para a produção de um segundo filme da série estavam abertas, Ridley enviou um espião conhecido como James Cameron, que sob a sua tutela, daria vida ao segundo filme da série.

Índice

Discussão entre fãsEditar

 
Aliens: agora com muito mais figurantes que a concorrência.

Aliens - O Resgate é um dos filmes mais debatidos de toda a comunidade nerd de fãs de filmes de Ficção Científica. Isso porque, com o surgimento dessa segunda grande obra, os fãs da franquia ficaram simplesmente divididos, não sabendo se adotam este filme como o melhor da franquia, ou Alien - O Oitavo Passageiro. As duas sequências posteriores ficam completamente fora de cogitação, pois apesar de serem consideradas ótimas pelos fãs restritos, não chegam ao status de "Incríveis" ao qual os dois primeiros filmes são elevados.

Desde o surgimento desse segundo filme, não são raras as brigas organizadas conduzidas pelos nerds fãs da franquia. De um lado, os paga-paus de Alien - O Oitavo Passageiro. De outro lado, os paga-paus de Aliens - O Resgate. Isso só complica ainda mais quando a própria crítica especializada (composta pelos nerds-mor) encontra-se dividida, e as batalhas mortais entre ambos os grupos de críticos até hoje são consideradas fenomenais, com muitos deles xingando um ao outro no Twitter e Facebook.

O debate é grande, e as batalhas costumam ser devastadoras. Muitos desses fãs, cada um com seu grupinho e suas panelinhas, costumam se juntar em gangues de rua e se encontrar em becos escuros e sombrios de favelas, onde travam sangrentas batalhas de Cubo Mágico, mortais campeonatos de Xadrez, e catastróficas competições de Poker valendo preciosas edições antigas de quadrinhos da Marvel e da DC Comics, tudo isso para decidir na prática qual dos dois filmes é o melhor.

SinopseEditar

O filme inicia-se 55 anos após os acontecimentos de Alien - O Oitavo Passageiro. Como todos sabem (ou pelo menos todos os nerds), no final do primeiro filme, Tenente Ripley junta no sarrafo o Xenomorph que fez toda sua tripulação de janta na ceia de domingo, e acaba mandando o pobre alienígena, que não teve como se defender, para o espaço, literalmente falando. Após isso, Ripley e seu gato ninja deitam em uma cápsula para tirar um longo (e põe longo nisso) e merecido sono criogênico de beleza.

Após ficar vagando pelo espaço sem rumo, Ripley e Jonesy são recolhidos por um caminhão de lixo espacial que confundiu sua nave com destroços que poderiam ser vendidos no mercado negro ferro velho intergaláctico, já que a nave de papelão já estava criando mofo e fungos ferrugem devido a ação do tempo.

Quando os donos da empresa de processamento de lixo capturam a nave e vão conferir a mercadoria, eis então que ele se deparam com Ripley adormecida com o gato ao seu lado. Pensando que aquilo era uma nova espécie de alienígena, já que o tempo não tinha feito bem para Ripley, eles a enviam para uma empresa especializada no estudo de novas formas de vida, conhecida como Weyland-Yutani Corporation, que por coincidência, era a mesma empresa para a qual Ripley trabalhava antes de ser despachada para uma missão suicida disfarçada no espaço, na época em que comandava a Nostromo.

Se borrando de medo de como seria a reação de Ripley ao acordar e se deparar com a mesma empresa que lhe mandou para aquele Inferno no espaço, o antigo dono da Weyland-Yutani decidiu se suicidar se jogando num buraco negro. Logo, em off-screen, o novo dono marcou com seus puxa-sacos oficiais um inquérito que seria realizado com Ripley quando ela acordasse, sob a promessa de que ela não quebraria o pescoço de ninguém, já que iriam colocar maracujina e sonífero de cavalo no seu café.

Ripley mais tarde acorda numa espécie de enfermaria em um hospital público, na qual é atendida por uma enfermeira anônima sem nome que recebeu um cachê de 5 reais para participar do filme. Lá ela recebe a visita de um executivo sem importância da Weyland-Yutani conhecido como Carter Burke, que foi mandado lá a para avisar Ripley de sua reunião com aquele grupo de mocorongos almofadinhas e para falar sobre algumas abobrinhas sem maior relevância.

Missão de resgateEditar

 
  Sorria para as câmeras, Jonesy. Mesmo com você não aparecendo muito, nós ainda continuamos sendo os personagens mais interessantes dessa joça.  

Mais tarde, já na reunião, Ripley se vê numa espécie de mesa-redonda composta por um bando de bundões que queriam a todo custo bani-la de suas atividades, uma vez que Ripley representava um perigo potencial para novas espécies de alienígenas antes mesmo que elas pudessem ser estudadas e utilizadas como armas biológicas em possíveis guerras interplanetárias.

Alegando que o Alien do primeiro filme nada mais era do que uma história da carochinha que Ripley teria inventado para poder vandalizar a nave Nostromo durante um surto psicótico, eles conseguiram cassar a sua licença de piloto espacial. De sobra conseguiram fazer com que Ripley fosse submetida a pesadas sessões de psicanálise e terapia holística ao som de Enya e Vangelis, o que acabou por privá-la de toda interação social com qualquer criatura que não fosse seu gato.

Um tempo depois, depressiva, isolada da civilização e sendo obrigada a entupir a cara de anti-psicóticos, Ripley recebe um telefonema de Carter Burke, o mesmo miserável que a jogou aos lobos no inquérito anterior. Aparentemente, a colônia no planeta onde Ripley e sua tripulação tinham encontrado os primeiros ovos do Alien, devido a burrice de alguns personagens secundários (pra variar), tinha se tornado um recinto de férias para os Xenomorphs, que acabaram fazendo seu ninho entre os ossos dos figurantes chacinados.

Como os soldados que deveriam ser os responsáveis por acabar com atos de vandalismos e outras ameaças por todo espaço eram uns verdadeiros bunda-moles, a Federação Galáctica se viu obrigada a chamar Ripley para por aqueles incompetentes na linha e consertar toda a cagada no planeta LV-426 (nem é preciso dizer que no final foi Ripley quem acabou fazendo tudo sozinha de novo, pra variar).

De início Ripley se nega a ajudar aqueles paspalhos, porém ela posteriormente acaba aceitando, já aquela era a única forma de receber novamente sua licença de voo e se livrar de uma vez por todas de suas sessões no psiquiatra, que além de só entupi-la com todo tipo de drogas medicamento, ainda fazia com ela regressões hipnóticas tendo como fundo musical as belíssimas canções da Banda Calypso.

Chegando no planetaEditar

No dia seguinte, após ter sonhado com alienígenas, Cthulhu, Lady Gaga e outros horrores cósmicos, Ripley liga para Burke (a cobrar, como forma de vingança) aceitando o convite para visitar o planeta onde os figurantes àquela altura já jaziam à sete palmos embaixo da terra. Entretanto, Ripley baixou a regra: ela só iria com a condição de que iriam descer o cacete nos Aliens, sem essa frescura de tentar capturá-los vivos para estudos (e provavelmente morrer no processo). Burke, que tinha feito um curso online sobre a arte de mentir com um político, concorda com os termos, e então eles partem rumo ao seu fim iminente planeta.

 
Soldados da USCM comentando sobre o paredão do BBB durante sua última refeição.

Logo em seguida, finalmente somos apresentados às futuras vítimas: um grupo de soldados fracassados que mais parecia a coletiva de imprensa de algum time da Série D do Campeonato Brasileiro de Futebol. Bastou passar os olhos por eles para Ripley ver o quão podres aqueles profissionais eram e se dar conta da encrenca em que tinha se metido. Pelo menos serviriam como ótimas iscas enquanto ela, inevitavelmente, fizesse todo o trabalho sujo sozinha. Claro que se seu fiel companheiro, o gato Jonesy, estivesse ali, suas chances contra os aliens seriam maiores; mas é como diz o velho deitado: "Quem não tem gato, caça com figurante".

Após algumas cenas com diálogos tediosos, comida de péssima qualidade sendo servida no café da manhã, Ripley ameaçando um androide de morte, o tenente sendo zoado pelos soldados por ser um bunda-mole e um sargento com transtorno explosivo intermitente ameaçando juntar todo mundo no sarrafo a cada dois minutos, eles finalmente partem rumo ao planeta.

Um detalhe interessante é que a quantidade de figurantes mortos ao longo da história é muito maior que a quantidade de bancos existentes na aeronave que os levou até o planeta. Ou seja, tem-se a impressão de que muitos personagens que em um primeiro momento você sequer tinha se dado conta da existência (provavelmente porque realmente não estavam lá), do nada, foram simplesmente cagados aleatoriamente em vários momentos do filme, unicamente para aumentar o número de vítimas massacradas pelos alienígenas e elevar a carnificina.

Encontrando RebeccaEditar

A primeira coisa que o tenente faz quando chega na colônia é enviar os soldados menos importantes na frente (ou seja, praticamente todos os personagens do filme). Caso os aliens aparecessem, eles teriam algumas iscas para se divertir enquanto Ripley se preparava para a pancadaria, afinal de contas, era a única que tinha culhões para bater de frente com as aberrações. Após andar sem rumo e não achar porcaria nenhuma, eles finalmente encontram um laboratório cheio de Facehuggers em vidros gigantes de picles.

 
Aliens em conserva, a mais nova tendência culinária lançada no mercado gastronômico. Ainda assim, mais saudável que o McDonald's.

Segundo algumas anotações sinistras nos moldes de jogos de survival horror, daquelas que aparecem do nada no cenário relatando alguma desgraça, o lugar pertencia a um cientista louco que estava usando a essência dos alienígenas para desenvolver um novo tipo de conserva. Entretanto, todos os voluntários tinham morrido de câncer instantâneo ao experimentar aquele líquido nojento, o que não é de se surpreender, afinal de contas, Xenomorphs já não tem predadores naturais justamente porque não são comestíveis.

Pouco tempo depois, eles começam a captar alguma presença estranha em seu mini-radar de bolso da Polishop, e eles decidem ir averiguar do que se tratava (mesmo que o mais adequado fosse sair correndo dali e mandar aquela missão suicida para o raio que o parta). Após alguns momentos com aquele suspense clichê de filmes de terror dos anos 80, eles finalmente se deparam com uma pirralha catarrenta e suja, Rebecca 'Newt' Jorden.

A fedelha era aparentemente a única sobrevivente do massacre dos alienígenas, o que já era de se esperar, já que morte de crianças antigamente era um tabu para filmes do gênero (diferentemente de toda a depravação e falta de vergonha na cara dos dias de hoje, onde existe até cenas live action de toddlercon sendo retratadas em filmes de terror). A pestinha tinha feito do lixão sua moradia, e mesmo fedendo mais do que um porco morto de tanto se arrastar entre as vísceras dos defuntos, Ripley a leva pelas orelhas até a base de operações.

Dados todos os indícios, aparentemente ninguém mais estava vivo para contar história naquele fim de mundo. Porém, como eram uns tapados, ao invés de se contentarem em ter salvo a pirralha e se mandado daquela pocilga de uma vez, eles decidiram ficar mais tempo e voltar para procurar por sobreviventes fictícios, o que obviamente era uma ideia de jerico.

Massacre dos figurantesEditar

Quanto mais escuros e sinistros os corredores ficavam, mais eles adentravam no local, o que em geral costuma ser uma PÉSSIMA ideia em filmes de terror. A coisa finalmente começa a esquentar quando os soldados encontram uma pobre coitada semi-morta e toda suja com uma gosma asquerosa. Dois minutos depois, a barriga da infeliz começa a se mexer como gelatina, e um assustador fantoche de plástico Chestburster (aquele monstrinho nojento que sai dos hospedeiros dos Aliens) dá as caras, rasgando-a de dentro pra fora como se fosse um bife de açougue.

 
  Socorro, estou morrendo antes de completar meus 5 minutos de aparição no filme!  

Após terem queimado o filhote de aberração com um lança-chamas, eles acabam chamando atenção de todos alienígenas por perto, que não tinham gostado em nada de ter seu irmão recém-nascido morto brutalmente, sem nunca ter tido a chance de sentir o gosto de sangue humano em sua boca. Assim, inicia-se o massacre, e o filme finalmente parte para o que as pessoas realmente queriam ver: carnificina e violência gráfica exacerbada (para os parâmetros da época, obviamente).

A primeira a ir para o saco é Cynthia Dietrich, que é atacada por um Xenomorph e levada para o alto, servindo apenas como um aperitivo básico. Como era uma incompetente que nunca tinha usado um lança-chamas na vida, ao invés de ela acertar o alienígena, ela tem a incrível capacidade de colocar fogo em seu próprio colega de equipe, Ricco Frost, que acaba sendo queimado vivo e caindo uns três andares abaixo.

Além disso, aparentemente o fogo de Dietrich tinha deixado um rastro, e ao atingir um saco de munição clandestina, outros dois insignificantes que estavam dormindo na palha ali perto, Tim Crowe e Trevor Wierzbowski, são pegos no raio da explosão, garantindo para o Alien um quadrakill e deixando-o feedado já no early game. Ao mesmo tempo, o sargento Al Apone também dá o ar da graça, provando-se tão inútil quanto os outros figurantes e morrendo de forma tosca enquanto prestava atenção nas abobrinhas do tenente Scott Gorman.

Após 95% dos personagens terciários terem ido todos para a vala, restam apenas os secundários, que conseguem fugir do ninho dos bichos por um milagre. Enquanto isso, Ripley dá um esporro em Scott Gorman, que não ajudou com porcaria nenhuma (muito pelo contrário, só atrapalhou). Ela decide tomar as rédeas da situação, aplicando um gancho do Scorpion no tenente, que já estava lhe enchendo o saco, e levando o veículo envenenado da tropa até os figurantes que sobreviveram, na expectativa de que eles não fossem esquartejados nos próximos 2 minutos.

Talvez ainda haja esperança... Talvez.Editar

 
Os Xenomorphs são criaturas bastante simpáticas e carinhosas, sempre recepcionando as pessoas com abraços calorosos.

Chegando lá, felizmente os figurantes restantes ainda estavam vivos, com exceção do estúpido do Mark Drake, que morreu miseravelmente após um Xenomorph que o perseguia ter sido ferido e respingar sangue ácido em sua fuça, deixando sua cara com mais bolhas que banha de fritura. Enquanto Ripley salvava os figurantes restantes, uns amedrontados, outros salpicados com ácido; Scott Gorman tirava um ronco em cima dos painéis, já que era a única coisa que esse imbecil sabia fazer na vida.

Embora tenha sido bem sucedida em salvar personagens que mais tarde ela veria morrer da forma mais sem-graça possível, a situação continuava preta. Isso se intensifica quando algum jegue (provavelmente Spunkmeyer, que pagou com a própria vida) deixou a porta da nave-transporte aberta, possibilitando que um Xenomorph entrasse de bicão e matasse a piloto Colette Ferro, fazendo com que a nave tombasse e virasse uma pilha de sucata (que mais tarde seria reaproveitada em outros filmes da série, já que naves de plástico e papelão não dão em árvore).

Para completar, Ripley descobre que Carter Burke tinha lhe passado a perna, e estava secretamente tentando coletar amostras das aberrações para levar para a Terra. A ideia de Burke era adestrar os alienígenas e exibi-los como atração em grandes espetáculos do Cirque du Soleil ou da Disney. Porém, Ripley não tinha ficado nada feliz com tamanha ideia de jerico, e baixou as regras: nada de aliens, ou Burke seria arremessado janela afora. Como ninguém era burro suficiente para questionar a autoridade da Ripley, ele abaixa a cabeça e sai com o rabo entre as pernas.

Apesar de tudo, eles ainda encontravam-se ferrados, já que era questão de tempo até os alienígenas invadirem o recinto no qual estavam ilhados e devorar todo mundo na janta. A solução para isso foi simples: obrigar o pobre coitado do Bishop a sair para fora e comprar uma nave usada no ferro-velho mais próximo. Como androides causavam gases, em geral não entravam no cardápio dos Xenomorphs, logo, ele estaria seguro... Teoricamente falando.

Luta pela sobrevivênciaEditar

 
Newt brincando de pique-esconde com o sempre divertido Alien, seu mais novo companheiro de travessuras.

Enquanto Bishop arriscava os circuitos lá fora, Burke faz algo que você jamais imaginaria que alguém teria a coragem de fazer: prende Ripley num quarto enquanto ela cantava uma música dos Teletubbies para Newt dormir e solta alguns Facehuggers lá dentro, com intuito de que ela morresse. Porém, os Facehuggers não conseguiram matá-la. Pelo contrário, passaram a maior parte do tempo escondidos de Ripley, provavelmente com medo e traumatizados. Quando os outros figurantes chegam e libertam Ripley, ela aplica um brutality em Burke, e quando estava prestes a jogá-lo como isca aos aliens, eles invadem o lugar.

Assim que os Xenomorphs entram no loca, Burke, com as calças borradas, é o primeiro a fugir, já que além de covarde era um bosta completo. Porém, não adianta muito, pois havia um alien só de tocaia atrás do armário esperando para que o primeiro trouxa passasse por ali. Na invasão, Hudson, um chato aleatório que tinha milagrosamente sobrevivido até aquele momento do filme, acaba indo para a vala, já que figurantes tem um tempo limite em que podem permanecer vivos em um filme de terror.

Ao fugir pelas tubulações, Vazquez acaba ficando para trás, e o inútil do tenente, que ainda estava vivo, se atrasou completamente em fazer a única coisa de útil que poderia ter feito, que seria ajudá-la. Vendo que não tinha mais jeito, numa manobra kamikaze, eles se explodem ali mesmo, pois mesmo que morressem, ao menos levariam os aliens juntos e de sobra iria para a vala também o peso-morto do tenente, que até o momento não tinha feito porcaria nenhuma no filme.

Enquanto isso, Newt faz aquilo que toda criança é especialista em fazer: atrapalhar os mais velhos. A pirralha acaba caindo no esgoto e sendo sequestrada pelos aliens, que a serviriam com molho inglês para a rainha, obrigando Ripley e Hicks, os únicos ainda de pé, a mudarem seus planos drasticamente.

Batalha finalEditar

Para satisfazer suas necessidade maternais após a morte de sua filha, que morreu de velha enquanto ela vagava pelo espaço tirando um ronco; Ripley manda Hicks e Bishop (que tinha conseguido uma nave de transporte em troca de um detonado de Silent Hill) para o Inferno, alegando que não voltaria sem trazer a fedelha de volta.

 
  Round 1: FIGHT!!  
Narrador do Mortal Kombat sobre o épico e sanguinário embate.

Munida com um lança-chamas, Ripley entra sozinha no ninho dos aliens, e após resgatar a pirralha chata, ela finalmente fica cara a cara com a Rainha Alien. Nesse primeiro encontro, em geral esperasse que fosse ocorrer um combate épico entre as duas maiores lendas do espaço... Porém, se borrando de medo, a Rainha não ousa encarar Ripley. Pelo contrário, vendo que a coisa ficaria feia para o seu lado, ela simplesmente deixa Ripley passar, pois sabia que seria solada caso tentasse um 1x1 contra Ripley.

Ripley, percebendo a respeito que a Rainha demonstrara ante a sua presença, faz o que qualquer ser humano decente e com senso de honra faria: aproveita a deixa para torrar todos os ovos da Rainha e destruir o seu ninho bem na sua frente. Puta da cara com tamanha sacanagem, a Rainha decide partir pra porrada, mesmo sabendo que não teria chances contra Ripley. Caso ela fosse dizimada, ao menos teria lutado até o fim quase certo.

Se apropriando de suas habilidades atléticas, ninjas e alpinistas, a rainha consegue seguir Ripley até a sua máquina de lavar voadora, e dá um jeito de se pendurar no veículo e seguir Ripley até a nave de transporte que os levaria para longe daquele Inferno. Finalmente o momento tão esperado chega, e dá-se início a uma das mais lendárias batalhas da história: e combate entre Ripley e a Rainha Alien.

Entretanto, com a ajuda de seu Transformer, Ripley acaba aplicando tanto especial de porrada na Rainha que a coitada acaba ficando zonza. A única coisa que a aberração conseguiu fazer foi fatiar Bishop como um pedaço de mortadela, mas isso era meio inútil, já que ele era um androide, e teoricamente era imorrível. No final das contas, a Rainha foi literalmente mandada para o espaço, onde provavelmente ficou vagando por anos até morrer de enjôo. A Rainha Alien até tentou reagir em seus últimos momentos, mas ela não foi páreo para o força sobre-humana e os reflexos de personagem de anime de Ripley. O filme termina com todo mundo indo tirar um sono de beleza na câmara de hipersono, a mesma porcaria do filme anterior.

Mas e o gato Jones?Editar

 
Poster notificando o desaparecimento de um dos maiores heróis da história do planeta Terra, que acabou falecendo em missão.

Quanto ao gato Jones, para a tristeza de todos, meu amigo leitor, nosso querido guerreiro felino infelizmente veio a óbito durante os anos em que Ripley ficou fora. Afinal de contas, gatos em geral só vivem 15 anos.

Entretanto, para fazer jus a sua reputação enquanto bicho de estimação da maior heroína espacial, o gato Jones dedicou cada um de seus dias a lutar contra o crime, defender a humanidade de ameaças alienígenas e combater vagabundos e arruaceiros espaciais.

Reza a lenda que Jones teria sucumbido a sua idade avançada durante uma missão contra os Covenant, uma raça de alienígenas vândalos que desejam a destruição da raça humana.

O gato Jones tornou-se uma grande inspiração e símbolo de esperança, e seus feitos heroicos teriam posteriormente inspirado Master Chief e todo o resto da humanidade a jamais desistir ou se entregar a qualquer ameaça extraterrestre.

Personagens primários (relevantes)Editar

Ellen RipleyEditar

 
Batman e Robin? Que nada, eis aqui a verdadeira dupla dinâmica.

Ellen Ripley, popularmente conhecida como Tenente Ellen Ripley, é a principal personagem não apenas desse filme, mas de toda a série, e também a única, ao lado do gato Jones, que é minimamente decente. Treinada nas mais variadas técnicas de sobrevivência, Ripley desde cedo aprendeu que o método mais eficiente para se conter uma invasão alienígena é partir sozinho para a porrada.

Até hoje essa fórmula é copiada, e grandes figuras históricas garantiram a vitória seguindo os passos de Ripley, tais como Samus Aran, Master Chief e Isaac Clarke. A principal explicação para o sucesso desse métodos é muito simples: quando se lida com alienígenas com sede por carnificina humana, em 99% dos casos, seus companheiros só vão atrapalhá-lo e atrasá-lo, e sua única utilidade é servir como janta ou como saco de pancadas para os extraterrestres.

Como no final das contas você é quem terá que fazer tudo sozinho mesmo, é mais fácil nem perder tempo levando pesos-mortos para a batalha, pois será uma incomodação a menos para a cabeça.

Essa sua linha de pensamento começou durante seus tempo de escola. Todas as vezes que Ripley era obrigada a fazer alguma tarefa em equipe, ela acabava carregando os alunos incompetentes nas costas, que por serem completos irresponsáveis, não costumavam fazer porra nenhuma, sempre esperando por uma nota grátis enquanto era ela quem ralava para fazer tudo sozinha.

Foi nesse momento que ela se convenceu de que se quer um trabalho bem feito, terá de fazer você mesmo, passando a carregar esse princípio para toda a vida, o que deu muito certo, por sinal. Até porque, se Ripley dependesse da ajuda dos figurantes para fazer alguma coisa, ela já estaria a sete palmos embaixo da Terra, já que os inúteis costumam morrer das formas mais deploráveis possíveis sem tempo de sequer pensarem em fazer algo.

Jones 'Jonesy'Editar

 
Antes mesmo de atuar na série de filmes Alien, o nosso galã felino protagonizou um filme próprio. O filme, um verdadeiro sucesso de bilheterias, ganhou todos os prêmios a que fora indicado devido a estupenda atuação de Jones, que executou seu papel com maestria.

Jones, Jonesy e muitas vezes também chamado de Jonesey, apesar dos apelidinhos carinhosos cafonas, é o único personagem do filme que faz alguma coisa além de Ripley, mesmo que a única coisa que o bichano fez tenha sido dormir e ser acariciado pela Ripley no início do filme. Mas isso já é suficiente para colocá-lo num patamar superior aos demais imbecis que fizeram parte do elenco de apoio.

Jones tem uma história triste. Nascido de uma ninhada de três filhotes, o pobre felino teve sua família toda envenenada por um velho perverso, que os alimentou com um hambúrguer do Gordão Lanches. Foi nesse momento que Jones despertou seus instintos felinos, assassinando o terrível envenenador de animais com garras e dentes e enviando-o para o colo do Capeta.

Entretanto, após ter vingado seus parentes, Jones se viu desolado, e caiu no mundo, sem esperança e sem sequer capacidade para ronronar. Vendo o pobre animal abandonado e dormindo em meio a um saco de lixo de restaurante, Ripley, uma bondosa moça, ficou com pena e comprou um pacote de Whiskas para que Jones se deliciasse. Ser presenteado com um pacote de Whiskas é a forma suprema de amor e generosidade, já que na visão dos felinos essa ração é algo próximo a uma pedra preciosa, até porque, ela tem o preço de uma.

Como Ripley vivia estressada, já que tinha uma filha em casa para lhe torrar o saco e esgotar todas as suas energias, ela acaba levando Jones para casa, já que tinha lido em um artigo do Google Acadêmico que gatos espantam o estresse. Desse momento em diante, Ripley e Jones tornam-se companheiros inseparáveis, sendo que o gato inclusive a acompanhava em seus treinos de sobrevivência e pancadaria, onde acredita-se tenha desenvolvido as suas habilidades guerreiras.

Rebecca 'Newt' JordenEditar

 
Newt e Alien em um ensolarado dia de verão, banhando-se no Rio Tietê para espantar o calor.

Rebecca Jorden, apelidada de Newt é o exemplo clássico de criança chata em filmes de terror. Mesmo ela sendo um dos personagens principais da história, não fez absolutamente nada além de se esconder no lixão, quase morrer e atrapalhar completamente o andamento do filme. A verdade é que Rebecca só foi colocada na história mesmo para atender aos instintos maternais de Ripley, cuja filha morreu de infarto fulminante devido a velhice enquanto ela estava vagando pelo espaço.

Para começo de conversa, assim que apareceu no filme, a fedelha já foi dando dor de cabeça. Mesmo tendo como vizinhos uma horda de alienígenas raivosos sedentos por um massacre humano, assim que se depara com outras pessoas pela primeira vez em muito tempo, a primeira reação da pirralha foi fugir estupidamente para um amontoado de chorume, restos humanos e lixo hospitalar. Provavelmente a única razão por ela ter sobrevivido tanto tempo é que aquela pocilga era tão fedorenta que nem mesmo os alienígenas se arriscavam a se aproximar.

Próximo ao final do filme, Newt consegue a incrível façanha de ser capturada por um Alien e levada para o ninho dos bichos, onde seria banhada com molho de churrasco e servida numa grande ceia. Esse evento foi o responsável por ferrar a vida de todos os personagens restantes, já que Ripley foi obrigada a ir resgatar a idiotinha, o que acabou culminando em sua pancadaria com a Rainha. Isso indiretamente resultou em Hicks sendo ferido e colocado para escanteio, antes mesmo que pudesse fazer alguma contribuição relevante para o enredo; e em Bishop sendo fatiado pela Rainha Alien.

Dwayne HicksEditar

 
Hicks mostrando que a única coisa de que você precisa para sair bem numa foto é uma arma de plástico e um fundo artificial.

Dwayne Hicks é um dos poucos personagens dos Colonial Marines que se destaca. Todos os outros personagens são tão inexpressivos e tem importância tão nula que você muitas vezes não vai saber diferenciar um de outro. Hicks merece destaque não por ter sido o mais importante dos soldados, e sim porque foi o menos inútil de todos eles. Ainda assim ele é um personagem secundário, e só está nessa seção por que sobreviveu até o fim do filme (mesmo tendo morrido depois), que querendo ou não, já é muito mais que qualquer outra coisa que os demais figurantes tenham feito na história.

Na verdade ninguém sabe porque Dwayne decidiu entrar para os Colonial Marines, nem mesmo ele. O mais provável é que ele tenha caído naquela velha propaganda enganosa sobre a vida no exército, e decidiu se tornar um soldado espacial visando reconhecimento pelos seus atos heroicos e quem sabe, até ganhar uma estátua em sua homenagem.

Entretanto, a vida é uma caixinha de surpresas, e a única coisa que Hicks ganhou estando no exército foram alguns ossos quebrados, uma grande indisposição devido ao cansaço, uma alta dose de estresse e de bônus um sargento rabugento que o obrigava a fazer 100 flexões a cada duas horas.

Apesar de ter sobrevivido ao filme, reza a lenda que Hicks acabou batendo as botas ao ter uma overdose proveniente dos estranhos sedativos que Bishop lhe deu por conta do ataque do Alien. Posteriormente, no início de Alien 3, Hicks e Newt são confirmados como tendo batido as botas, dando início ao começo do final da franquia, já que a partir de Alien 3 começaram aquelas famosas burradas da produção e direção que em geral mandam séries para o esquecimento.

Lance BishopEditar

 
O triste desfecho de Bishop, após levar um fatality da Rainha Alien.

Lance Bishop é o androide que talvez tenha sido o único personagem que de fato fez algo minimamente útil no filme além de Ripley. Enquanto os demais personagens estavam ocupados demais sendo raptados por alienígenas ou morrendo miseravelmente, Bishop estava em algum lugar procurando uma nave reserva para tirar os sobreviventes do lugar.

Mesmo sabendo que a qualquer momento poderia ter suas juntas enferrujadas devido as condições adversas do espaço (cujo clima sempre varia de uma obra de ficção científica para outra), ou ser transformado em sucata caso os Xenomorphs decidissem persegui-lo, Bishop conseguiu atingir seu objetivo. Embora a nova nave tenha sido algo próximo de uma máquina de lavar voadora, ao menos ela foi útil para algo.

Assim como Ash, o androide de Alien - O Oitavo Passageiro, Bishop foi construído na base de silicone e plástico. Devido a natureza incomum de seus materiais, ao invés de ser movido a óleo, ele funciona na base de leite de burra, um fluido muito mais eficaz e que provou-se a melhor alternativa para robôs em termos de combustível e fonte de energia.

Bishop é um modelo 341-B, uma linha que foi originalmente concebida como uma versão melhorada e esteticamente mais apresentável das arcaicas unidades de protocolo 3PO, que já estavam fora de moda desde os anos 70. Posteriormente Bishop teria servido como principal molde para a construção das linhas Andromon e Megaman, que passaram a dispôr de uma tecnologia de batalha mais avançada.

Warrior AlienEditar

 
Um Alien tentando (inutilmente) intimidar o gato Jones.

Warrior é uma das castas presentes na espécie Xenomorph, e atua como principal pé no saco durante todo o filme. Ao longo das eras, de tanto apanhar para os Predadores e ter suas cabeças penduradas em cima de sua lareira, os Warriors, descobriram que a única maneira de protegerem eficientemente sua rainha e seu ninho de hóspedes indesejados é apelar para a covardia, motivo pelo qual eles só atacam aos bandos.

Obviamente que isso não se aplica aos seres humanos, a espécie mais fraca da galáxia. As estatísticas apontam que basta um Warrior para cada 1000 humanos normais, o que prova o quão impotente a humanidade seria perante uma invasão alienígena.

No filme, os Warriors fizeram uma verdadeira festa de sangue com os seres humanos inúteis da colônia de LV-426. Como essas pessoas estúpidas só sabiam dormir, comer e viver seus sonhos rasos, sem qualquer ambição ou objetivos relevantes para suas vidinhas medíocres, sequer passou pelas suas cabeças desenvolver o mínimo de preparo para combater uma iminente ameaça alienígena. Como resultado, os Warriors chegaram, realizaram uma carnificina memorável com esses humanos de baixo escalão, e de sobra ainda construíram seu ninho sobre suas carcaças desfalecidas.

Porém, as estatísticas esqueceram de apresentar um importante dado: que em contrapartida, para cada 1000 Warriors, basta apenas uma Ellen Ripley. Embora seres humanos normais não tenham a menor chance contra os Warriors, ficou mais do que comprovado no filme que caso o humano em questão seja nossa querida Ripley, o cenário muda completamente de figura. Tanto é que Ripley teve culhões para entrar sozinha no ninho dos Aliens, resgatar a enjoada da Newt, destruir os ovos que ainda não tinham eclodido e de sobra ainda dar uns sopapos na Rainha ao término do filme.

Curiosamente, quando Ripley entrou no ninho, quase não se viu sinal dos Warriors, provavelmente porque esses ficaram escondidos com medinho de encarar a fera no mano a mano.

Rainha AlienEditar

 
A ranzinza Rainha Alien, elevando a definição de "feiura" a um novo nível.

Rainha Alien é a principal vilã do filme, sendo a chefe da tribo dos Aliens. Rainhas Aliens tem capacidade reprodutiva biologicamente superior a qualquer outro ser vivo, o que faz dela uma praga infinitamente superior que os coelhos. Em geral o serviço de controle de pragas não consegue lidar com os Xenomorphs graças a grande quantidade de feras assassinas geradas por ninhada, até porque, não é qualquer SBP que consegue lidar com a população de Aliens.

A maneira mais eficaz de conter o alto crescimento de Xenomorphs foi concebida por Ellen Ripley, que consiste em invadir o quarto da rainha e meter o lança-chamas em todos os ovos do cômodo. Entretanto, por ser um trabalho pesado e que exige culhões, atualmente são poucos os profissionais capacitados para o serviço. O dedetizador deve ser devidamente treinado, já que é bem provável que ao queimar o ninho ele tenha que lidar depois com uma Rainha furiosa com sede por vingança.

No filme, após mandar o ninho para o espaço, a Rainha, puta da cara, persegue Ripley, na esperança de que conseguiria peitar a tenente e dar cabo da mesma. Infelizmente, para a Rainha Alien, Ripley estava em um patamar superior, e por mais que tentasse, a pobre criatura nada pôde fazer. Após um épico embate, no qual Ripley mostrou-se em vantagem do início ao fim, a Rainha finalmente foi derrotada, e assim como seu parente de quinto grau do primeiro filme, foi ejetada miseravelmente para o espaço.

Personagens secundários (completamente inúteis)Editar

Carter BurkeEditar

 
  Olá, você teria um minuto para escutar a palavra de nossa senhora toda-poderosa, rainha Alien?  
Burke em seu trágico encontro com o Xenomorph.

Carter Burke é um estagiário da Weyland-Yutani que foi colocado na história para preencher a vaga de "personagem FDP" que todo filme de terror deve obrigatoriamente ter. A princípio ele aparentava ser o típico CDF fadado a morte iminente (e de fato era isso). Posteriormente mostrou-se um belo de um vagabundo ao tentar assassinar Ripley e Newt trancando-as num quarto e liberando alguns Facehuggers no cômodo. Entretanto, fracassou miseravelmente, já que bastou um olhar atravessado de Ripley para as criaturas fugirem e pedir arrego.

Quando tiraram Ripley de lá, ela aplicou um chute quádruplo na coluna em Burke, nocauteando-o de imediato (isso foi em off-screen). Mais tarde, assim que os aliens invadirem o recinto, Burke saiu correndo feito uma gazela assustada, mas acabou sendo pego de jeito por um Xenomorph atrás do armário, que não via carne humana a mais de um mês.

Burke originalmente aparecia em uma nova cena, próximo ao final do filme, mas como o orçamento já estava no limite e não conseguiria cobrir mais 10 segundos de encheção de linguiça, eles decidiram cortar essa cena para economizar as verbas, já que seria um desperdício gastar mais dinheiro com esse inútil.

William HudsonEditar

William Hudson foi um sortudo que por algum milagre conseguiu sobreviver ao primeiro massacre de figurantes. A principal característica de Hudson é não falar nada que preste, e vez ou outra ficar enchendo o saco com seus comentários inconvenientes. Também atuou como o "pessimista", que corresponde aquele grupo de personagens histéricos, paranoicos e pés-no-saco que fazem questão de reclamar e lembrar todo mundo que eles estão na merda. Hudson foi tocando o filme com a barriga até onde pode, porém, era inevitável que uma hora ou outra ele fosse pra vala, seguindo o padrão de personagens desse tipo. Quando eles foram atacados, foi morto por um Xenomorph, que puxou seu pé enquanto ele berrava feito um retardado e errava todos os tiros nos alienígenas que estavam a menos de um metro de distância dele.

Jenette VazquezEditar

 
Vazquez com sua gatling gun, fazendo uma singela homenagem ao seu ídolo de infância.

Jenette Vazquez é a sapatona que já no início da missão ficou tarando o corpo da tenente Ellen Ripley. Desde os tempos de aprendiz no exército, Jenette já demonstrava suas habilidades natas com metralhadoras, paixão essa que adquiriu ao jogar Resident Evil 5, onde vivia morrendo para o Gatling Gun Majini.

Jenette acabou ficando para trás durante a fuga dos alienígenas, já que Gorman e Hicks, ao invés de retornarem quando ainda dava tempo, preferiram arredar o pé e deixar a coitada esquecida para virar janta. Gorman se arrependeu e decidiu voltar, para pelo menos não passar a impressão de que só fez burrada o tempo todo (por mais que isso tenha sido verdade). Se Vazquez tinha esperança de que alguém a viesse ajudar, quando viu que era o incompetente do Gorman, provavelmente acabou perdendo qualquer esperança, e com razão, já que no final das contas ele não conseguiu ajudar em nada (de novo).

Scott GormanEditar

Scott Gorman é de longe o tenente mais incompetente colocado a frente de alguma operação de alto risco. Gorman em momento algum precisava se expor aos perigos ou correr o risco de ser atacado pelos alienígenas. Sua única função era guiar os soldados até o ninho e comandar a operação de sua salinha, deixando que os outros é quem fizessem o trabalho sujo. Mas nem isso esse imbecil foi capaz de fazer.

Pelo contrário: além de não conseguir fazer sua função direito, ainda atrapalhou os próprios soldados, resultando inclusive na morte do sargento Al Apone, que morreu enquanto tentava dar ouvidos as asneiras de Gorman, o qual estava mais perdido que cego em tiroteio. Na única ocasião em que podia ter mostrado serviço, ele fracassou miseravelmente, o que acabou culminando na morte dele e da Jenette Vazquez em uma ataque kamikaze.

Personagens terciários (poderiam colocar um babuíno no lugar que não faria diferença)Editar

Al AponeEditar

 
Sargento Al Apone rendendo-se a moda do charutão cubano, lançada anos antes pelo entusiasta de tendências Professor Girafales.

Al Apone foi um sargento irritadinho e mal encarado que passou a maior parte do tempo ameaçando meter porrada nos próprios soldados, que tinham um comportamento infantil e muito parecido com aquela famosa turma do fundão de escolas públicas. Quando Al Apone não estava juntando sua tropa no sarrafo, ele vivia chapado com maracujina nos bastidores, já que fazia tratamento psicológico para controlar a raiva. Morreu de maneira infeliz, ao ser atacado por um Xenomorph tão raivoso quanto ele, enquanto tentava escutar o que o inútil do Gorman falava no walkie-talkie.

Colette FerroEditar

Colette Ferro é uma personagem inexpressiva que apareceu em umas quatro cenas ao longo de todo filme. Colette só não está entre os personagens quaternários porque ela se sobressai em relação a maioria dos inúteis do filme, já que atuava como a piloto oficial das naves de papelão e plástico levadas para a missão. Devido a sua negligência, se esqueceu de fechar a porta da nave do Space Invaders que pilotava, permitindo que um belo e formoso Xenomorph invadisse o veículo e lhe aplicasse um mata-leão enquanto estava distraída. Como Xenomorphs não estão habilitados a dirigir naves espaciais, é bem provável que o alien em questão, em toda sua inteligência, também tenha ido pro saco.

Cynthia DietrichEditar

 
  Mas eis a hora de partir: eu para morte, vós para a vida. Quem de nós segue o melhor rumo ninguém o sabe, exceto os deuses.  
Sócrates sobre a morte poética de Dietrich.

Cynthia Dietrich não nasceu, ela simplesmente existe. É um desses típicos personagens sem valor maior que você não percebe que existem até que façam alguma merda. Cynthia foi a primeira infeliz a abotoar o paletó de madeira, e apareceu de fato em apenas uma única cena, a cena de sua morte. Se essa pobre coitada apareceu em alguma outra cena, foi apenas sob a forma de vulto, o que já diz muito sobre o calibre desse tipo de personagem.

Ricco FrostEditar

Ricco Frost é um azarado que não foi capaz de fazer absolutamente nada no filme, já que morreu de forma estúpida antes mesmo de dar um único tiro no filme. Apareceu em umas duas cenas falando algumas abobrinhas, mas nada que mereça ser considerado. Morreu nas mãos de sua própria companheira, Cynthia Dietrich, que por ser racista, ao invés de usar o lança-chamas para tentar se salvar do alien que a atacou, preferiu usar no próprio colega de trabalho.

Tim CroweEditar

Tim Crowe é o personagem mais obscuro do filme. Isso porque em momento algum do filme ele aparenta estar presente além da cena de sua morte. É como se esse infeliz tivesse surgido do nada, por meio de alguma macumba, só para morrer da forma mais sem graça possível. Esse personagem é tão sem carisma, que até a sua morte não teve qualquer tipo de emoção: simplesmente morreu de retardado, por ficar perto de uma granada, que explodiu após Ricco Frost morrer.

Trevor WierzbowskiEditar

 
Cena deletada de Hicks treinando para as Olimpíadas com a ajuda de Trevor, na modalidade "levantamento de peso-morto".

Trevor Wierzbowski, assim como Tim Crowe, conseguiu a proeza de aparecer menos que um desses personagens de flashback típicos de filmes de terror. Também morreu por ser um jegue, ao ser pego pelo raio da explosão, a mesma que mandou Crowe para os quintos dos Infernos. Depois de ter sido jogado contra a parede feito um monte de lixo, se escuta ao fundo o seu berro, provavelmente porque algum alienígena viu nele a oferta de rango grátis e decidiu fazer a festa coma sua carcaça já condenada.

Mark DrakeEditar

Mark Drake é só um soldado aleatório qualquer, tão inexpressivo que nem dá vontade de zoá-lo. Típico personagem que as pessoas até percebem que está na história, mas não dão um foda para sua existência irrelevante. O único fato memorável sobre esse pedaço de nada é o fato de ter sido lindamente salpicado com o sangue ácido de um Xenomorph.

Daniel SpunkmeyerEditar

Daniel Spunkmeyer, embora não tenha sido morto durante o primeiro massacre dos figurantes, está lado a lado com eles em termos de falta de importância. Spunkmeyer fez diversas aparições-relâmpago ao longo do filme todo, todas igualmente inúteis e passam despercebidas para 95% da população. Esse personagem é tão medíocre que até mesmo sua morte foi sem-graça, tanto que nem foi mostrada no filme. Na verdade, ninguém sabe ao certo o que diabos aconteceu com Spunkmeyer. Sua última aparição foi entrando na nave de Colette Ferro, mas depois disso, nunca mais foi visto. Ou o infeliz foi morto pelo mesmo Xenomorph que matou Colette Ferro, ou ele foi sugado por um buraco negro, embora ninguém dê a mínima para o destino desse ser deplorável.

XenomorphEditar

Popularmente conhecidos como Aliens, os Xenomorphs são uma espécie extremamente mal humorada de alienígenas, que ao longo dos anos tem se configurando num severo problema de saúde pública por todos os cantos da galáxia, dado o seu alto apetite por quaisquer formas de vida e a sua alta capacidade de reprodução, assegurada pela presença da horrenda Rainha Alien.

Por serem portadores de técnicas poderosas, como a Cauda do Empalamento e o Esguicho Ácido, inúmeros treinadores Pokémon já tentaram capturá-los para suas rinhas de galo,e obviamente, fracassaram miseravelmente, tendo em vista que Xenomorphs são criaturas de difícil domesticação.

Acheron (LV-426)Editar

 
Visite o mortal belo e paradisíaco Acheron LV-426! O melhor destino para você e sua família nessas férias!

Acheron LV-426 é o principal cenário da carnificina do filme. Antigamente conhecido como Plutão, acredita-se que Acheron LV-426 tenha sido descoberto primeiramente pelos Space Jockey, que passaram a inclui-lo em seus roteiros de turismo. Acheron LV-426 era uma espécie de Acapulco para os Space Jockeys, e todos os anos eles costumava sortear entre si viagens para o lugar, seja por meio de raspadinhas, seja por meio de bingos beneficentes.

Entretanto, devido as condições precárias do solo do planeta, as pessoas costumavam voltar de lá com o corpo cheio de tênias, lombrigas, Aliens e outros parasitas mortais, e com o tempo, por uma questão de saúde pública, as autoridades passaram a banir Acheron de seu roteiro de viagens.

Embora os Space Jockeys sabiamente tenham optado por manter distância daquele planeta hostil, os seres humanos, uma raça de criaturas tecnológica e intelectualmente inferior, por já estarem acostumados com tamanha imundície, estavam pouco se lixando para o ambiente contaminado do planeta, e mesmo assim decidiram se instalar ali. O resultado dessa burrice nem precisamos comentar...

Weyland-Yutani CorporationEditar

Weyland-Yutani é uma megacorporação maligna, nos moldes da Umbrella Corporation e da Seleção Argentina de Futebol, e como tal, sua função é promover maldades. Trata-se de uma empresa voltada para colonização espacial, e em geral ela costuma enviar pessoas para colônias em todas as partes da galáxia como porcos para o abate.

A Weyland-Yutani apresenta os piores aspectos possíveis de uma empresa dos dias atuais: negligência com a vida humana, visão voltada única e exclusivamente para o lucro, desejo pela dominação mundial, corrupção, patrões malas, trabalho escravo, atraso no pagamento dos funcionários e falta de compromisso com a sociedade. Ou seja, trabalhar para uma empresa dessas é como se você fosse trabalhar para a Disney.

Colonial MarinesEditar

 
Exemplo de responsabilidade e eficiência, os Colonial Marines nunca dormem em serviço.

United States Colonial Marine Corps (USCM), também conhecidos como Colonial Marines, são as principais forças de prontidão da Terra (ou pelo menos, deveriam ser). Em geral ela é composta de vagabundos, perdedores e outras pessoas que após fracassaram miseravelmente em todos os âmbitos da vida, decidiram optar pela carreira militar.

A propaganda enganosa vendida sobre os Colonial Marines é a de que são soldados fundamentais para a segurança nacional, preparados para lidar com qualquer situação de risco, em qualquer lugar do espaço. Entretanto, na prática, eles demonstraram não servir para porcaria nenhuma (a menos que você considere "almoço de Alien" como uma função válida).

No filme todo, não fizeram nada além de morrer, e o baixo nível dos postos mais altos (vide tenente Scott Gorman) diz muito acerca do calibre dessa tropa. Obviamente o governo sabe sobre a inutilidade dos Colonial Marines, mas para passar a falsa sensação de segurança para a população, naturalmente não torna isso público. Do contrário, as pessoas entrariam em pânico ao saber que estão tão seguros quanto uma folha de maconha na casa do Bob Marley.

Hadley's HopeEditar

 
Adquira já o seu Caterpillar P-5000 Work Loader, o mais poderoso exoesqueleto do mercado! E tem mais: se você ligar agora, você ganhará inteiramente grátis o incrível George Foreman Grill Jumbo, a churrasqueira que não é de controle remoto, mas vive pegando fogo, bicho!

Hadley's Hope é uma colônia de humanos instalada em Acheron LV-426, composta por pessoas medíocres que levam uma vidinha medíocre. Na realidade é bem provável que os pobres coitados que viviam ali foram enviados pela Weyland-Yutani em parceria com o governo dos Estados Unidos para servir de isca para os alienígenas, como parte de uma manobra Illuminati para redução da população mundial.

Não há muito o que falar sobre Hadley's Hope, tendo em vista que ela foi massacrada pelos Xenomorphs nos primeiros 20 minutos de filme. A única informação clara que se tem é de que a colônia era composta por normies e outras pessoas mundanas e superficiais, dessas que ficam o domingo todo assistindo ao programa porre do Faustão e que só tem um videogame para jogar FIFA ou Call of Duty.

VeículosEditar

Caterpillar P-5000 Work LoaderEditar

Caterpillar P-5000 Work Loader é a última palavra em tecnologia, desenvolvida por George Foreman em parceria com a Polishop. Trata-se na verdade um transformer de tamanho reduzido, adaptado para realizar tarefas cotidianas de maneira mais prática e fácil, tais como: carregar peso, vandalizar a propriedade alheia e aplicar especiais de porrada em rainhas alienígenas. Posteriormente seu protótipo serviu como base para a criação de armas de destruição em massa voltadas única e exclusivamente para uso militar em guerras intergalácticas contra outras formas de vida.

M577 Armored Personnel CarrierEditar

M577 Armored Personnel Carrier é o nome dado para um veículo blindado tecnologicamente avançado, usado sobretudo no transporte de soldados preguiçosos e para atropelamento em escala de alienígenas errantes. Sua blindagem de última geração é feita na base de plástico, reforçado com adamantium, o que o torna o veículo ideal para ser usado em terrenos inóspitos, como pântanos, solo extraterrestre e estradas brasileiras.

Por funcionar na base de sebo de cabra, ele não oferece qualquer risco ao meio ambiente, o que faz dele uma máquina de combate ecologicamente correta e ideal para ser utilizada em corridas de Hot Wheels. Além disso, ele já vem equipado com geladeira, computador do Milhão, internet sem fio e Sky Gato, o que faz dele uma verdadeira referência em termos de conforto.

UD-4L Cheyenne DropshipEditar

 
Jones mostrando para um figurante como é que se luta contra um Alien.

UD-4L Cheyenne Dropship é uma nave de guerra cujo conceito foi levemente chupinhado daquelas navezinhas do Space Invaders e de outros jogos de shoot'Em up dos tempos da brilhantina. A nave tem como principal função transportar soldados inúteis para missões nas quais os mesmos irão inevitavelmente morrer de forma estúpida. Dispõe de um moderno sistema de planagem, que consiste na utilização de linhas de barbante para manter o veículo no ar. Também dispõe de alguns mísseis, mas esses são só para enfeite, servindo apenas para assustar alienígenas cagões e com tecnologia obsoleta.

ProduçãoEditar

Como todo filme da década de 80, Aliens - O Resgate é um prato cheio de interpretações nada convincentes, efeitos especiais vagabundos, fundo musical de synthwave com pegada dark e personagens nem um pouco carismáticos. As mortes em geral são toscas, e é mais fácil você encontrar lixo espalhado pelo cenário do que sangue.

Os Aliens que aparecem no filme nada mais são do que desocupados usando fantasias de borracha fajuta, dessas que você consegue adquirir por metade do preço em promoções de brechó ou lojinhas mequetrefes.

Por fim temos os veículos e equipamentos, que resumem-se a maquetes de PVC e isopor semelhantes aquelas que os professores de Artes obrigam as crianças a construir e apresentar em feiras ambientais promovidas por escolas públicas (que geralmente acontecem em barracos ou salões de festa de igreja).

Ver tambémEditar