Abrir menu principal

Desciclopédia β

A pipa do vovô

SBTTV.JPG Este artigo é coisa da ex-vice maior audiência do mundo! Seu programa é chato e ruim, dá menos audiência que o Vídeo Show e usa os produtos Jequiti. Se vandalizar, você será forçado a ver briga de pobre no Teste de DNA e no Casos de Família. Conheça outros plágios mal-disfarçados clicando aqui.
Fatos.png
O Deslistas tem uma lista sobre
A pipa do vovô
O velho.

A pipa do vovô é uma canção erótico-carnavalesca escrita por Cenoura Abravanel que fez grande sucesso no carnaval de 1960 e vem sendo repetida desde então em vinhetas no SBT entre os meses de janeiro e março. Ela narra a triste história de um vovô que, num domingo de vento, tenta empinar sua pipa sem sucesso e, desesperado, se joga na frente de um trem. Esta última parte, no entanto, jamais foi escrita para não tirar a alegria da canção.

Índice

LetraEditar

 
O vovô sendo passado pra trás.

A pipa do vovô não sobe mais
A pipa do vovô não sobe mais
Apesar de fazer muita força, o vovô foi passado pra trás!

A pipa do vovô não sobe mais
A pipa do vovô não sobe mais
Apesar de fazer muita força, o vovô foi passado pra trás!

Ele tentou mais uma empinadinha
A pipa nao deu nenhuma subidinha(x2)

A pipa do vovô não sobe mais
A pipa do vovô não sobe mais
Apesar de fazer muita força, o vovô foi passado pra trás!

Análise da letra por Tonhão Grossura, poeta e doutor em Literatura PortuguesaEditar

Apesar de seu ritmo alegre, a canção é um manifesto contra a frustração a que nossas crianças estão sempre submetidas, graças ao capitalismo. O vovô representa as gerações antigas, que por décadas a fio empinaram suas pipas contra o céu escuro da opressão até que o vento das novas ideias desapareceu, permanecendo estagnado. Por mais que tente, o "vovô" jamais conseguirá, novamente, pôr no ar a pipa que lá permaneceu por tanto tempo, subjugando-a à mediocridade esmorecente. Assim, as novas gerações, que jamais viram as "pipas" no "céu", tomam as rédeas da sociedade -- "passando os velhos para trás" -- enquanto estes, estupefatos, permanecem sem entender o que está acontecendo.

Ou não, de repente a música é só sacanagem e eu estou aqui escrevendo um monte de merda.

BoatosEditar

Silvio Santos, em seu livro de memórias Neurônios que valem mais do que dinheiro, conta que o velho da canção seria, na verdade, o ex-jurado do Show de Calouros Pedro de Lara, que tinha a mania um tanto imbecil na sua idade de ficar empinando pipas do alto do prédio do SBT. Ou então um episódio envolvendo o sarrafo de pobre Ivo Hollanda numa suruba em que tinha que assumir várias posições na fila. Ou ainda outras 42 versões possíveis. A verdadeira verdade, segundo ele, só será revelada no sorteio da Telesena de Concordata, quando seu canal estiver finalmente fechando as portas depois de anos de agonia. Comece desde já, então, a pagar seus carnês do Baú da Felicidade, e quem sabe você não participa do sorteio?

Outras músicas inesquecíveisEditar